RELATOS DE UM TROPEÇO.

RELATOS DE UM TROPEÇO.
O que leva uma pessoa em total comunhão com Deus a uma queda fútil?
A resposta de muitos é o pecado.
Mas o que nos leva ao pecado e a fraqueza às vezes?
Assim que nos convertemos temos tanta alegria em falar de Jesus, que aprecemos ovelhinhas saltitantes, usamos camisetas com Jesus te ama, entregamos panfletinhos e o tempo passa nos aquietamos.
Assim que me converti a alegria era tanta que ganhei minha família pra Jesus com muita alegria e amigos.
Vieram as provas e eu passava com muita fé e irmãos se perguntavam de onde saia essa fé. Eu tinha sede de saber e amava ensinar de forma simples e clara.
Gostava de pregar pra ver a lagrima cair e as pessoas aceitarem Jesus. Até ai estava tudo certo comigo.
Havia uns invejosos aqui e ali. Umas murmurações e eu inocente achando que igreja era unida.
Veio uma pessoa me instruir e me dizia: FABIANA NÃO SEKA MARIA VAI COM AS OUTRAS, ANDE COM SABIO E SERA SABIO. BASTODORES DE IGREJA NÃO É MAR DE ROSAS APRENDA COMIGO. NAO SEJA FRACA.
Essa pessoa me falou isso e me mostrava tudo que era erro.
Comecei a ver a podridão que esse ser me mostrava. Meu primeiro amor se desfalecia, essa pessoa se achava irrepreensível e me dizia pra ser assim. Mas eu não concordei com isso. Ainda se achava acima de toda a humanidade em conhecimento.
Eu repreendia, mas dava risadas de mim. Interessava-se somente no sol que nascia pra todos e não na salvação. Não se importava em obedecer à palavra.
Quando abri os olhos via o erro, o inimigo rindo de mim. Senti como se nunca houvesse me convertido e a voz da acusação soava nos meus ouvidos. O diabo dizia: você nunca deixou de me servir.
Investiu em alguém dentro da igreja pra acusar o pecado de todo mundo, esquecendo-me eu que igreja é o hospital das almas. Formou-se ai uma bola de neve. E o fim foi uma avalanche espiritual.
Satanás foi ao abismo por inveja e complexo de inferioridade, por querer achar que podia ser auto-redentor. Querer medir pecado alheio ou até mesmo o nosso pecado se chama auto-redenção e acumulo de pecado sobre pecado. Temos que diariamente admitir, sou falha, meu próximo é falho e demovemos amar uns aos outros como a nós mesmos. O irmão caiu? Não acuse! Ore por ele! Tropecei? Ore por mim e farei o mesmo quando você precisar. E se hoje me concertei com Deus e Ele já se esqueceu. Quem é você pra lembrar?
Não tive estrutura pra suportar o que vi, mas aprendi a suportar mais o meu próximo com isso. Se você vê pecador na igreja é ali o lugar dele. Pecador tem que buscar a redenção e seus pecados e isso só encontram em Jesus.
Se pecar lembre-se:
Não culpe a Deus.
Não culpe a ninguém.
Não se esconda de Deus como Adão e Eva.
Deus não castigará você, por que isso é mentira de satanás. Castigo é pros ímpios e Deus nos ensina, nos repreende por amor. Qual pai não repreende um filho e após a repreensão fica alegre de ver o filho não voltar a aprontar.
Temos que assumir as conseqüências e lembre-se se pecar tem um advogado: JESUS CRISTO. AMEM.

Anúncios

SE PÕE DE PÉ DEUS FALARÁ CONTIGO

Paz a todos os profetas e ministros do Evangelho que como eu estão mais preocupados em agradar ao Senhor do que o homem.
Se voce está preocupado em agradar a congregação, te digo, não reclama se voce ver um recém chegado ser mais usado pelo Senhor do que voce que está ai há anos.
O recém convertido que saiu da lama chega alegre e disposto em agradar a Deus pela gratidão, enquanto o velho de guerra já esfriou o primeiro amor e já se apegou as tradições da denominação.
Nunca deixe se apagar o primeiro amor. Não deixa apagar a chama. Por que logo pode uma lampada nova e substitiur a velha, que está vazia e sem azeite.
Se voce se encontra frio. Sem forças por que ve uma congregação rebelde, um bando de loucos tradicionalistas, não suporta mais ver a insanidade do povo que se diz adorador de Deus, que rebela cada dia mais contra seus lideres , se está cansado de ver a dureza dos corações dos irmãos e não aceitam mais ouvir o que precisam e voce se sente sem honra. Por que tudo que tens dito não é bem aceito.
Faça com em Ezequiel 2 vers. 1
Filho do homem se põe de pé, Deus falará contigo.
O Senhor quer hoje falar com voce e quer te encher do Espirito e te madnar dizer o que esse povo rebelde precisa ouvir quer eles ouçam ou não. Fale o que Deus mandar. E não seja voce rebeldes como eles.
Não temas ser rejeitado pelos seus irmãos, por que melhor é obedecer a Deus e fazer Sua vontade. Por que hoje voce pode ser unanime entre os homens, e amanhã suas idéias podem cair no esquecimento. A Palavra de Deus não passa. Fama terrena é passageira. Carne perece mas o Espirito é vida. Veja:
Romanos 8 vers. 6 em diante diz:
6 Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz. 7 Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser. 8 Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus. 9 Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele. 10 E, se Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito vive por causa da justiça.
Diz mais em 1 epistola aos Tessalonicenses 2 vers. 4 a seguir:
4 Mas, como fomos aprovados de Deus para que o evangelho nos fosse confiado, assim falamos, não como para agradar aos homens, mas a Deus, que prova os nossos corações.
Não pense em agradar o homem ou viver suas tradições, que isso tirará voce do Reino e Deus não se agradará de ti. Deus manda dizer algo, mesmo que para muitos pareça absurdo vai e diga e sempre busqye agradar a Deus. Tenha fé que se Deus manda voce fazer algo Ele estará no controle da cituação, Ele se responsabiliza peli sucesso da missão. Creia na obra que Ele te deu em mãos e se Eele está no comando o fim é sempre vitória.
Se está caido ai coloque se de pé. Deus vai falar com voce e vai usar voce e te fazer cheio do Espirito Santo. Amém leia Efésios 6vers.6.

ESCREVI PARA UM AMIGO PROFETA, SENTI DE ESCREVER PRA ELE ISSO.

GOIANIA. SÁBADO, 13 FEVEREIRO DE 2010

TOCANDO VIOLÃO


SOU CANHOTA E TOCANDO UM VIOLÃO DE DESTRO


CANHOTA ME VIRANDO NUM VIOLÃO PRA DESTRO

A QUEDA DE SATANÁS II

A origem de Satanás

Abra qualquer número de obras de referência bíblica usadas comumente e olhe para o verbete “Satanás”. Você encontrará, provavelmente, uma história familiar. Eu cito, como típico, o Complete Bible Handbook (Manual Completo da Bíblia), de L. O. Richards:

“O Velho Testamento indica que Satanás foi criado por Deus como um anjo governante chamado Lúcifer, com grandes poderes. Mas o orgulho levou Lúcifer a se rebelar contra Deus (conforme Isaías 14:12-14; Ezequiel 28:12-15). Torcido agora pelo pecado, Lúcifer é transformado em Satanás, que quer dizer `inimigo´ ou `adversário´ …Satanás é um poderoso anjo decaído, intensamente hostil a Deus e antagonista do povo de Deus.” (páginas 245, 801).

Pergunte à maioria das pessoas que crêem na Bíblia de onde veio Satanás e nove entre dez lhe darão uma versão da história citada acima. A idéia de que Satanás é um anjo decaído a quem Deus expulsou do céu e que caiu na terra é tão espalhada que muitas pessoas acreditam que a Bíblia a ensina.

Pode surpreendê-lo descobrir que a Bíblia não ensina tal coisa. É certo que há passagens na Bíblia que falam de seres caindo do céu, mas não são sobre Satanás e usam linguagem figurativa. Somente por uma leitura descuidada destes textos pode alguém chegar à história popular relativa à origem de Satanás. Examinemos as passagens bíblicas relevantes, no contexto.

Quem é Satanás?

Onome “Satanás” é uma transliteração do hebraico satan, indicando um acusador no sentido legal, um queixoso que tem uma acusação a apresentar. Em Zacarias 3:1 lemos “Deus me mostrou o sumo sacerdote Josué, o qual estava diante do Anjo do SENHOR, e Satanás estava à mão direita dele, para se lhe opor.” Numa palavra, Satanás se opõe a nós, trabalha contra nós, ou “nos persegue”, na tentativa de nos derrotar espiritual e moralmente. Jesus chamou-o homicida e mentiroso, em João 8:44. Em Apocalipse 12:9, João retrata Satanás como um grande dragão, uma representação que ressalta sua terrível natureza. Esse mesmo versículo identifica-o como a serpente (uma referência a Gênesis 3) e como o diabo, que é outro nome bíblico comum para ele. Talvez 1 Pedro 5:8 nos diga o que mais precisamos saber a respeito dele: “O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar”.

A ênfase bíblica está no que Satanás é em relação conosco (um inimigo). Algumas pessoas, contudo, pensam que certos textos bíblicos vão mais além e nos dizem como Satanás veio a se tornar assim. Examinemos estes textos cuidadosamente.

Isaías 14:12-14

Esta passagem diz: “Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações! Tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte; subirei acima das mais altas nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo.” Você notará imediatamente que esta passagem não menciona Satanás por nenhum de seus nomes bíblicos comuns. Pode-se extrair deste texto uma teoria da origem de Satanás somente assumindo que esta passagem descreve-o, e ignorando o contexto desta passagem na mensagem de Isaías.

Isaías não estava discutindo Satanás em Isaías 14, nem a origem de Satanás de modo nenhum faz parte desta mensagem do profeta. Se dissermos que este texto é sobre a origem de Satanás, isso simplesmente torna sem sentido o contexto mais amplo. Isaías profetizou durante os reinados dos reis hebreus Uzias, Jotão, Acaz, e Ezequias (Isaías 1:1). Seu ministério abrangeu (aproximadamente) os anos 750 – 686 a.C., uns 65 anos, no máximo. Este foi um tempo quando o povo de Deus tinha se tornado corrompido pela idolatria. Deus enviou Isaías para pregar o arrependimento ao seu povo e para adverti-lo de que um fracasso em voltar-se da idolatria significaria desastre em escala nacional. Isaías pregou a ambos os reinos de Israel e Judá, cumprindo sua missão dizendo aos povos desses reinos que eles sofreriam terrivelmente se recusassem arrepender-se. Isaías 10:5-6 resume a mensagem ao reino do norte. Há linguagem semelhante (13:3-6) reservada para o reino do sul, o reino contra o qual Deus enviaria os babilônios.

A mensagem de Isaías não era completamente de desânimo e condenação. Os assírios e os babilônios, ele pregou, eram simplesmente instrumentos que Deus usaria para punir o seu povo. Uma vez que Deus tivesse usado essas nações para seus propósitos, Ele se voltaria e aplicaria seu julgamento sobre eles, pela impiedade deles próprios. É uma mensagem da soberania de Deus em ação que causa reverência e temor nos ouvintes. A Babilônia cairia, e depois disso Deus renovaria e reuniria seu povo e lhes daria uma gloriosa e nova existência. Isaías 14 é sobre a queda do império babilônico. Isaías diz aos habitantes do reino sulista de Judá que, depois que eles tivessem sofrido o castigo, viria o dia quando eles poderiam ver a queda de seu opressor e escarnecer de Babilônia do modo como esta tinha escarnecido de Judá. Veja os versículos 4 e seguintes. Isto é sobre Babilônia.

Ora, porque Isaías começaria o capítulo falando sobre a queda de Babilônia, interromperia com uma descrição da origem de Satanás, e então recomeçaria a falar sobre a queda de Babilônia? Simplesmente não faz qualquer sentido aqui no contexto ver 14:12-14 como sendo sobre a origem de Satanás. O fato é que Isaías estava descrevendo para povo de Judá o que eles estariam dizendo quando zombassem do rei de Babilônia que tinha sido rebaixado e decaído do poder (versículo 4). As mesas virariam, e Isaías está descrevendo a ironia de tudo isso. Até mesmo a leitura corrida da passagem revela que a linguagem aqui é poética e figurativa, e temos que tratá-la de acordo. “Céu” no versículo 12 é linguagem figurativa para o que é alto e exaltado, e Isaías está aqui descrevendo a alta consideração em que o rei de Babilônia era tido. O profeta descreve sua queda do poder figurativamente, como uma queda do céu. Então ele chama o rei de Babilônia, também usando linguagem figurada, a “estrela da manhã”. Na sua glória, durante algm tempo, o soberano de Babilônia era como uma estrela brilhante no céu. Contudo, seu reinado e seu poder cairiam, e, mantendo as imagens, Isaías pinta sua extinção como uma estrela cadente.

Parte da incompreensão popular desta passagem resulta do aparecimento da palavra “Lúcifer” em algumas versões do versículo 12. A palavra hebraica em questão aqui é helel, que significa “estrela da manhã” e não tem nenhuma ligação com Satanás. “Lúcifer” é uma velha palavra latina que originalmente significava “portador da luz” e era o nome do planeta Vênus sempre que aparecia no céu matinal. Na época que esta palavra foi usada nas traduções deste versículo, “Lúcifer” não significava Satanás. Infelizmente, para muitas pessoas, hoje em dia, Lúcifer é o nome de Satanás (porque Isaías 14:12-14 é aceito como sendo sobre Satanás!). Não é porque os tradutores erraram, mas porque pessoas de tempos posteriores, ou esqueceram o que Lúcifer significava ou concluíram erradamente que era o nome de Satanás, ou ambos.

Isaías 14:13 recita a jactância arrogante do rei babilônico. Certa vez ele pensou que era o maior do mundo, que tinha poder e autoridade igual à do próprio Deus. Uma das características do retrato profético de Babilônia é seu grande orgulho. Contudo, Deus rebaixaria seu rei ao mais baixo nível imaginável para a mente hebraica: o Sheol, o reino dos mortos (versículo 15). Os versículos 9-11 descrevem como os habitantes do Sheol ficariam surpresos porque alguém que pensava ser tão “alto” estava agora entre eles, num lugar tão “baixo”. O ponto é que o rei babilônico foi do extremo da exaltação mundana para a extrema humilhação, e isto era um feito de Deus, o julgamento de Deus. A coisa toda é um quadro, uma imagem, e não uma narrativa histórica literal. A ênfase está no contraste entre as condições do soberano babilônico “antes” e “depois”. As pessoas, então, olhariam para o fracasso do rei babilônico e perguntariam: “É este o homem que fazia a terra tremer, que sacudia reinos, que fazia do mundo um deserto, derrubava suas cidades, que não permitia aos seus prisioneiros voltar para casa?” (versículos 16-17).

Você vê, então, que quando examinamos Isaías 14:12-14 em seu contexto, ele não nos diz nada sobre a origem de Satanás. É uma descrição figurativa da queda do rei de Babilônia.

Ezequiel 28:12-16

Outra suposta passagem sobre a origem de Satanás é Ezequiel 28:12-16, onde se lê: “… Assim diz o SENHOR Deus: Tu és o sinete da perfeição, cheio de sabedoria e formosura. Estavas no Éden, jardim de Deus; de todas as pedras preciosas te cobrias: o sárdio, o topázio, o diamante, o berilo, o ônix, o jaspe, a safira, o carbúnculo e a esmeralda; de ouro se fizeram os engastes e os ornamentos; no dia em que foste criado, foram eles preparados. Tu eras querubim da guarda ungido, e te estabeleci; permanecias no monte santo de Deus, no brilho das pedras andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado até que se achou iniqüidade em ti. Na multiplicação do teu comércio, se encheu o teu interior de violência, e pecaste; pelo que te lançarei profanado fora do monte de Deus, e te farei perecer, ó querubim da guarda, em meio ao brilho das pedras.”

A referência ao Éden é, para muitos, um indicador seguro de que esta passagem tem que ser sobre a origem de Satanás. Não importa que Satanás já fosse o inimigo do homem no Éden! Mas, novamente, é somente aceitando que esta passagem é sobre Satanás (a própria coisa que precisa ser provada) que podemos lê-la desse modo. O contexto aqui argumenta em outra direção.

As palavras de Ezequiel aqui dizem respeito ao rei de Tiro. Os versículos 1 e 11 tornam isto claro. O capítulo 27 é sobre a queda da nação, e o capítulo 28 é especialmente sobre a queda do rei dessa nação. Prestar um pouco de atenção ao contexto esclarece muito! Exatamente como na passagem de Isaías, tomar as palavras do profeta como descritivas de Satanás e sua “queda” é fazer deste capítulo um completo contra-senso.

Aqui a mensagem está em duas partes, mas cada uma delas apresenta a mesma mensagem. Os versículos 1-10 descrevem o rei de Tiro do ponto de vista de Deus. Como o rei de Babilônia, o rei de Tiro era orgulhoso, arrogante e jactancioso. Ele se achava divino, e assim declarava ter uma glória que não lhe pertencia (versículos 2,6,9). O profeta descreve sarcasticamente a grandeza do monarca nos versículos 3-5. Pela sua arrogância, o orgulhoso rei colherá o julgamento de Deus. O julgamento sobre ele é que Deus o abaterá (versículos 7-10). Os versículos 11-19 repetem esta mensagem. O retrato sarcástico que o profeta faz do rei reaparece nos versículos 12-16. O aumento no nível de imagens e figuras na linguagem aumenta o sarcasmo. O rei pensava de si mesmo em termos absolutamente altos, mas para Deus isto era pura loucura. A referência ao Éden no versículo 13 não é literal, mas significa que o rei imaginava-se privilegiado acima de todos os outros. Ele pensava que era especial, como querubim ungido de Deus ou como algém que vivesse na própria montanha de Deus (versículo 14). Ele se retratava nos termos mais gloriosos. Pela sua arrogância, Deus o julgaria severamente (versículos 16-19). Novamente, portanto, quando lemos esta passagem no seu contexto, vemos que não tem nada a ver com a origem de Satanás.

Lucas 10:18
Em Lucas 10:18, Jesus diz: “Eu via Satanás caindo do céu como um relâmpago.” Aqueles que pensam que Satanás é um anjo rebelde decaído acreditam que este versículo estabelece o assunto convincentemente. Contudo, de novo, precisamos olhar para esta afirmação no seu contexto.

Em Lucas 10:1 e seguintes, Jesus tinha enviado setenta discípulos numa missão de pregação. Realmente, era mais do que apenas uma missão de pregação, pois Jesus também os enviou para curar e expulsar demônios (versículos 9,17). É importante entender exatamente o que estes setenta discípulos cumpriram e o que o próprio Jesus cumpriu em seu ministério. Enquanto Jesus estava nesta terra, ele guerreou contra o reino de Satanás. Antes que Jesus pudesse estabelecer seu reino (o reino de Deus), ele tinha que invadir o território do inimigo, vencê-lo e tornar o inimigo (Satanás) impotente e fraco. Isto ele fez pregando o evangelho e demonstrando visivelmente seu poder. As curas miraculosas, e especialmente a expulsão de demônios, não eram atos casuais de bondade; elas eram em vez disso assaltos diretos sobre o reino de Satanás. Proclamando a “libertação dos cativos” no evangelho (veja Lucas 4:18), Jesus estava proclamando a derrota de Satanás e do pecado. Jesus veio libertar o homem do domínio de Satanás, um domínio esumido em pecado e morte.

É no contexto desta guerra espiritual que temos que entender os milagres associados com o ministério de Jesus e, mais tarde, dos apóstolos. Os milagres associados eram físicos, demonstrações visíveis, exemplos, ilustrações do que Jesus pode fazer pelos homens espiritualmente. Em nenhum lugar isto fica mais claro do que na expulsão de demônios. A possessão por demônios era uma manifestação óbvia do domínio de Satanás sobre pessoas. Que maior domínio sobre uma pessoa Satanás poderia ter do que invadir seu corpo, através de um demônio, e comandar seus atos? Quando Jesus expulsava demônios ele estava libertando pessoas da garra de Satanás, Ele estava destruindo o domínio do Maligno sobre elas. Era uma demonstração especialmente clara, ao nível físico, do poder do evangelho, e era uma ilustração de como Jesus podia libertar os homens do reino de Satanás e pô-los sob o reino de Deus.

O mesmo é verdade também quanto às curas milagrosas de Cristo. Doença e morte eram manifestações do poder de Satanás sobre o homem. Curando os doentes, Jesus estava livrando pessoas do poder de morte exercido por Satanás, assim vencendo-o. Observe o que Jesus disse sobre a mulher que tinha uma doença causada por um espírito em Lucas 13:16: “… esta filha de Abraão, a quem Satanás trazia presa há dezoito anos” não deveria ela ter sido libertada, no sábado? Jesus estava demonstrando, em suas curas milagrosas, seu poder sobre Satanás, seu poder para livrar os homens do domínio de Satanás. A cura era uma ilustração do que Jesus pode fazer por nós espiritualmente, através do seu evangelho. Assim, não é coincidência que Mateus ligue as atividades de pregar o evangelho e a cura dos doentes em Mateus 4:23: “Percorria Jesus toda a Galiléia, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando toda a sorte de doenças e enfermidades entre o povo.” Estas duas atividades iam juntas muito naturalmente.

Quando os setenta discípulos retornaram, relataram seu grande sucesso a Jesus. regozijando porque “… os próprios demônios se nos submetem pelo teu nome!” (Lucas 10:17). Jesus os havia enviado como um exército para invadir o território de Satanás e guerrear. Sua campanha tinha tido um tremendo sucesso. Satanás sofreu uma derrota com cada demônio que eles expulsaram. Jesus respondeu com um reconhecimento: “Ele lhes disse: Eu via a Satanás caindo do céu como um relâmpago. Eis aí vos dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões, e sobre todo o poder do inimigo, e nada absolutamente vos causará dano”. (versículos 18-19). Observe a menção de Jesus a “… sobre todo o poder do inimigo”. Satanás estava sendo derrotado no ministério de Jesus. Os setenta discípulos tinham compartilhado esse ministério, e isso culminaria na maior vitória sobre Satanás: a morte e a ressurreição de Cristo que decisivamente derrotaram o poder de Satanás de pecado e morte, respectivamente. Assim, quando Jesus diz: “… eu via a Satanás caindo do céu como um relâmpago”, ele estava descrevendo quão grandemente seu ministério estava derrotando o poder de Satanás sobre os homens. O poder de Satanás não mais seria incontestável e absoluto. Em sua obra, Cristo estava destruíndo o aparentemente invencível poder do pecado e da morte. Em linguagem que relembra Isaías 14:12-14, Jesus compara o poder anterior de Satanás a uma estrela, e essa estrela agora caiu. Apocalipse 9:12 e Mateus 24:29 também usam a imagem de uma estrela cadente para descrever a derrota do poder.

Portanto, novamente, o texto que alegamente prova a origem do diabo não é sobre a origem de Satanás de modo nenhum. É somente introduzindo tal idéia no texto que ele pode prestar algum serviço a tal doutrina.

Apocalipse 12:7-9

Talvez a passagem mais popular quando se fala sobre a origem de Satanás seja esta, Apocalipse 12:7-9. Ela diz: “Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e os seus anjos; todavia, não prevaleceram; nem mais se achou no céu o lugar deles. E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a terra, e, com ele, os seus anjos”.

Quem quer que alguma vez tenha olhado para o Apocalipse de João sabe que nele abundam estranhos símbolos. É somente pela violência de tratar a linguagem simbólica literalmente, e por ignorar o contexto, que podemos tirar uma história da origem de Satanás deste texto.

Apocalipse 12 é uma descrição simbólica das circunstâncias espirituais que causaram e conduziram à perseguição que os leitores de João enfrentaram. João escreveu o Apocalipse para dar aos seus primeiros leitores uma visão de seu sofrimento, para vê-la num contexto mais amplo. Eles foram apanhados numa tremenda luta entre Deus e Satanás. O diabo estava tentando destruir a igreja, usando Roma como seu agente. João, assim, estava dando aos seus leitores uma perspectiva de sua situação que poderia ajudá-los a suportá-la. Como uma descrição simbólica e figurativa não devemos, certamente, lê-la literalmente, nem devemos tratá-la como alguma espécie de narrativa cronológica e histórica do que tinha acontecido.

Apocalipse 12 é admitida como uma passagem difícil, mas os estudantes que vêem o livro do ponto de vista de seu contexto histórico geralmente concordam que ele é sobre a vitória do povo de Deus e a derrota de seu inimigo, Satanás. A primeira parte do capítulo (versículos 1-6) apresenta diante de nós uma história de nascimento de uma criança do sexo masculino que se torna o dominador das nações. Esta imagem representa Cristo (a alusão ao Salmo messiânico, Salmo 2, em Apocalipse 12:5 confirma isto). Contudo, um grande dragão (Satanás) imediatamente desafia seu aparecimento. O aparecimento de Jesus desencadeia uma grande guerra espiritual (versículo 7). O domínio de Satanás sobre a situação humana tinha, até agora, ficado indisputado. Quando Cristo aparece, o poder de Satanás sobre o homem é efetivamente destruído, e Satanás sofre uma derrota esmagadora (versículo 9). A história básica que João apresenta aqui nos versículos 7 e seguintes é que Satanás perdeu sua tentativa de ganhar domínio sobre a humanidade. Ee e suas forças não são adversários para Deus e suas forças. Ele não pode derrotar Deus e seu Filho. Numa grande destruição, Satanás é lançado abaixo, simbolizando sua ruína.

Que Satanás tenha sido atirado à terra é, eu penso, significativo. É uma mudança na frente de batalha. Desde que Satanás não pôde derrotar Deus no reino espiritual, ele então volta sua atenção para o reino físico, onde ele espera ser vitorioso. É a mesma batalha pelo domínio espiritual sobre o homem, mas agora é uma batalha espiritual travada na terra. Agora, em vez de tentar destruir o Filho de Deus (tentativa que fracassou), ele tenta destruir o povo de Deus que vive na terra. Satanás inunda a terra com suas mentiras, enganos, tentações, etc., em seu esforço para destruir o povo de Deus, mas isto também fracassa (versículos 11,17).

Apocalipse 12:7-9 é sobre como Satanás recebeu uma derrota esmagadora pelo aparecimento e obra de Jesus. João escreveu isto para encorajar seus leitores que estavam sofrendo por causa do ataque de Satanás através de um poder mundial perverso, Roma. Eles poderiam suportar se soubessem que a vitória era deles. Conhecer a origem de Satanás não teria feito nada para encorajá-los a perseverar sob provações severas.

Então, donde veio Satanás?

Se nenhuma das passagens que são comumente citadas como relatos da origem de Satanás são realmente sobre sua origem, então donde ele veio? Bem, não estou certo de que a Bíblia revela a resposta para nós exatamente. Podemos ter uma curiosidade sobre o assunto, mas temos que não permitir que tal curiosidade nos instigue a encontrar respostas que ali não se encontrem.

O melhor que podemos fazer, eu penso, é inferir umas poucas coisas sobre Satanás. Primeiro, somente Deus (o Altíssimo) é incriado. Tudo o mais e todos no universo são criados. Portanto, Satanás é um ser criado. A Bíblia, em nenhum lugar diz que ele é um ser eterno como Deus. Segundo, a Bíblia atribui onipotência somente a Deus (o Soberano). Portanto, Satanás não é um ser onipotente. Ainda que ele tenha grandes poderes, Deus limita seu uso deles (conforme 1 Coríntios 10:13; Jó 1-2).

Terceiro, há seres que foram feitos e que existem acima do nível humano. Podemos chamá-los seres espirituais por falta de um termo melhor. Entre estes seres espirituais estão os anjos, mas estes aparentemente não são os únicos tipos de seres espirituais (conforme Efésios 6:12; Apocalipse 4-5). A respeito desta ordem de seres, conhecemos mais sobre anjos do que quaisquer outros. O quadro que obtemos pela palavra de Deus é que seres espirituais são muito mais interessados em negócios da terra e, às vezes, estão envolvidos neles. Por exemplo, anjos mediaram a Lei de Moisés (Gálatas 3:19), anjos anunciaram a ressurreição de Cristo (Mateus 28:5), e anjos desejaram ver o cumprimento do plano de Deus de salvação (1 Pedro 1:12). Embora isso possa ser uma especulação, também parece que seres espirituais, conquanto sejam criados, não obstante não são ligados em sua existência às limitações de tempo ou idade.

A Bíblia em lugar nenhum identifica Satanás como um ser humano. Ele é, obviamente, um dos seres espirituais sobre os quais lemos na Bíblia. Isto não quer dizer que Satanás seja um anjo. De fato, teria sido muito fácil, em qualquer dos contextos e para qualquer dos escritores, dizer que Satanás era um anjo, mas eles nunca o disseram. Ele é, não obstante, um ser espiritual e a Bíblia o descreve como, entre outras coisas, “o príncipe da potestade do ar” (Efésios 2:2). Vemos Satanás, pela primeira vez, no Jardim do Éden (Gênesis 3), justo no começo da história humana, e ele tem existido continuamente desde então.

Quinto, seres espirituais, como seres humanos, têm livre arbítrio. Judas descreve o castigo dos anjos rebeldes no versículo 6 de sua epístola, e Pedro fala de anjos pecando em 2 Pedro 2:4. Portanto, Satanás se opõe a Deus porque ele decide fazê-lo. Deus certamente não o criou para o mal ou como um ser mau, pois a Bíblia nos diz claramente que não há mal associado com Deus (Tiago 1:13; 1 João 1:5).

Parece que o máximo que poderíamos dizer sobre a origem de Satanás é que ele é um ser criado, mas espiritual, que decidiu opor-se a Deus, e que ele recruta outros seres espirituais e seres humanos em seus esforços. Mais do que isto é só especulação.

Conclusão

Num sentido muito significativo, não importa de onde Satanás veio. A ênfase na Bíblia cai, em vez no que ele faz. Não é como ele veio a existir que preocupa. É o fato que ele existe que nos preocupa. Ele continua a trabalhar contra nós em sua tentativa de dominar a humanidade, e para nós Jesus deixou a continuação da guerra. “Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes” (Efésios 6:10-12).

BATISMO COM ESPIRITO SANTO

PAULO AFIRMOU: Mesmo que o crente fale em “línguas”, se não tiver amor, de nada valerá. (I Cor. 13:1).
JESUS DISSE: “Se Me amardes guardareis os Meus mandamentos.” (João 14:15).
A BÍBLIA DIZ: “Seus mandamentos não são pesados” (I João 5:3).

Então é fácil distinguir a procedência da língua estranha.
Use a regra: Amor & Obediência.

Paulo ordenou:
• Tirar a gritaria dos cultos (Efé. 4:31).
• Que haja reverência (Heb. 12:28).
• Que haja decência e ordem (I Cor. 14:40).
POR ISSO, DEDUZ-SE QUE:
O Espírito Santo jamais poderá estar em uma casa de culto onde haja:
grito – barulho – desordem – irreverência – batida de pé no chão – socos na mesa, no púlpito, etc.
• Deus não ouve gritaria – Eze. 8:18; Lam. 3:8.
• Gritaria entristece o Espírito Santo – Efé. 4:30 e 31.
• Ana orou apenas mexendo os lábios e Deus a ouviu. – I Sam. 1:12 -13.

ESPÍRITO SANTO — E OS DONS NECESSÁRIOS
Paulo instou a que os cristãos buscassem “com zelo” os dons espirituais. Paulo sabia desta necessidade, porém, não desconhecia o fato de que, nesta busca, se feita desastradamente, fora do plano do Céu, poderia haver grande confusão e perversão que redundaria em malefício para o cristão e a igreja. Creio sinceramente nos dons espirituais. Acho-os fundamentais e necessários hoje. Mas, como pesquisador do santo Livro, receio que algumas pessoas estejam sendo enganadas pelas artimanhas do malígno.
Os dons espirituais que são necessários à igreja, parece que foram concentrados em dois apenas, o de curar e o de línguas. Pelo menos, tanto quanto se sabe, são os mais buscados e desejados. Afirmo outra vez: há necessidade de vigilância, pois que, para toda grande verdade de Deus, Satanás tem criado uma grande mentira paralela. Satanás é grande conhecedor da Bíblia, e dela está-se valendo para introduzir suas próprias idéias, e assim alcançar, imperceptivelmente, seus reais objetivos, cauterizando mentes no engano.
Até mesmo em sua disposição simples e sincera, um cristão que busca e se esforça por obter um dom espiritual, pode ser envolvido por este ser que deseja a todos enganar.

DOM DE CURAR
A preocupação de Paulo, que se denota nos capítulos 12, 13 e 14 de I Coríntios, leva-me a crer que, certamente, ele antevia a obra sinistra que envolveria Satanás na criação de dons semelhantes aos de Deus, para confundir os crentes. E o que se vê hoje é a comprovação não só nos meios evangélicos, mas pela própria ciência, que existem manifestações prodigiosas, cuja origem não é divina. E, no entanto, são reais, patentes e inegáveis. Quem poderá negar o fato comprovado de um doente curar-se, um cego enxergar, um deficiente físico recuperar seus movimentos? Isso é notório em várias corporações cristãs e Centros Espíritas, e creditado ao poder de Deus, fato que deve ser considerado com cuidado!
Alguém pode questionar, alegando que a fonte não é importante desde que a pessoa se beneficie de algum bem, haja vista estar o povo mergulhado em uma grande onda de dificuldades, doenças, carência de toda sorte. Em meio a tanta infelicidade, está, assim, à busca de qualquer escape, venha de onde vier. Disso se valem os “milagreiros” que, via de regra, omitem aos carenciados, que a salvação em Cristo Jesus é mais importante, tem mais valor, e é o que o povo precisa buscar ardentemente, pois ela lhe trará paz, no presente, e a eternidade no futuro (Mat. 18:8 e 9).
Paulo afirmou ter Satanás controle sobre os elementos da natureza (Efé. 2:2; Jó 1:10-12,19). Pode executar grandes prodígios em operações milagrosas (II Tes. 2:9; Apoc. 16:14), também transformar-se em anjo de luz (II Cor. 11:13-15); e fazer fogo cair do Céu à vista dos homens (Apoc. 13:13; Jó 1:16, 10-12). Jesus diz ser Satanás o príncipe deste mundo (João 12:31; 14:30); com capacidade de imitar milagres e dons através do hipnotismo (Êxo. 7:10-12, 20-22; 8:5-7, 17-19). Finalmente, Satanás imitará a vinda de Cristo (Mat. 24:24-26), tal é a sua força para o engano.
Por isso, quando o carismatismo impera, e os operadores de milagres apontam para tais eventos como prova de fé, abra os olhos, porque o diabo vai aproveitar esta brecha, mandando sua contrafação, iludindo assim o crente.
Ele é um inimigo sutil e fraudulento, e seus ardís, os mais variados. Há ocasiões em que demonstra mesmo pesar pela desgraça humana (da qual é único causador), manifestando seu poder em minorar os sofrimentos (curando um doente, fazendo coxo andar, cego enxergar, etc. Estas curas também ocorrem quando são provenientes de desordens neurológicas), mas, na realidade, seu objetivo é um só: destruir a fé no Todo-Poderoso, infiltrando a contrafação, para que se creia na mentira em lugar da verdade. E ambas tão juntas convivem que, somente por um acurado estudo do Livro santo, se pode distingui-las (Isaías 8:20).

DOM DE LÍNGUAS

Com relação ao dom de línguas, há flagrante desvirtuação na atualidade, pois milhares são os que crêem que só se recebe o Espírito Santo se falar “língua estranha”. E há mesmo quem afirme que, quem não fala “língua estranha” é um cristão incompleto, não restaurado, cristão de segunda classe, etc.
O escritor pentecostal Grant é categórico:
“…receber o batismo sem falar línguas estranhas é impossível… a língua Celestial será a senha para a entrada no Céu.” – O Batismo no Espírito Santo, Grant, págs. 97, 99, 123, 81. (Citado por Elemer Hasse).
E afirma ainda que os pentecostais chegarão ao Céu de avião, e os demais crentes que ignoram o batismo com o Espírito Santo, serão salvos, porém, chegarão de trem (pág. 84). E que, não falando “língua”, é cristão carnal (pág. 54). Idem.
Meu querido irmão, que diz a Bíblia? A doutrina de que o cristão que não fala em “línguas” não foi batizado com o Espírito Santo, não tem fundamento nela, porque, estas pessoas receberam o Espírito Santo e não falaram línguas:

Os samaritanos Atos 8: 15-17
João, o Batista Lucas 1: 15
Maria, a virgem virtuosa Lucas 1: 35
Isabel, prima da virgem Maria Lucas 1: 41
Zacarias, o pai de João Batista Lucas 1: 67
Jesus Cristo, o Senhor e Salvador Lucas 3: 22
Os sete diáconos da Igreja Apostólica Atos 6: 1-7
Estêvão, o primeiro mártir Atos 6: 5; 7: 55

Finalmente, Paulo, o apóstolo zeloso dos dons espirituais, nunca falou as línguas que são usadas no neo-pentecostalismo atual, como sendo a aferição de o crente ter recebido o Espírito Santo (Atos 9: 1-9, 17-18). Paulo e Barnabé receberam a imposição de mãos, foram separados para o ministério e batizados com o Espírito Santo, e não falaram línguas (Atos 13: 2-3).

LÍNGUA “ESTRANHA” OU IDIOMAS?
Na expressão “línguas estranhas” em I Coríntios 14: 2, 4-6, pode-se notar que a palavra “estranha” está grifada, isto é, escrita de forma diferente para informar que o tradutor não a encontrou no original; ali foi colocada para dar sentido amplo. Porém, no mesmo capítulo, verso 19, está explícito: “língua desconhecida”, e, esta sim, está correta, no original.
Para melhor esclarecimento, leia-se em I Coríntios 12: 10, 28 onde Paulo declina a expressão “variedade de línguas”, que sobejamente define tratar-se de outros idiomas, e não um tipo de sons desconexos e extáticos que muitos pretendem hoje, como sendo o dom de línguas.
Sons e enunciações ininteligíveis sempre foram características do paganismo, e hoje são comuns nas reuniões espíritas, no candomblé e centros umbandistas. Ali são faladas também diversas línguas estranhas. E agora, surpreendentemente é um fato real também na Igreja Católica.
Os termos “língua desconhecida e variedade de línguas” são mais condizentes do que “línguas estranhas”, porque, na realidade, a manifestação do dom caído sobre os discípulos no Pentecostes foi a grande verdade de que eles falaram línguas desconhecidas, sim, para eles, mas línguas existentes; eram idiomas estrangeiros. Sobretudo, aquela era uma reunião especial. O dom era necessário, supremamente necessário. Sabe por quê? Ouça – Jesus comissionou os discípulos:
Mateus 28: 19
“Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em Nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo.”
E a quem Jesus deu esta ordem? A pessoas indoutas, pescadores e camponeses, que falavam apenas o aramaico, limitado, simples. E no entanto a ordem de âmbito mundial ecoava: IDE! Sabe, meu irmão, Deus nunca pediu ou pedirá nada ao homem sem lhe conceder os meios e condições de cumprir Sua ordem.
Encontravam-se, pois, os discípulos reunidos em Jerusalém, diante de uma multidão “de todas as nações que estão debaixo do Céu… partos e medos, elamitas; e os que habitavam na Mesopotâmia; Judéia, Capadócia, Ponto, Ásia, Frígia, Panfília, Egito, Líbia, Cirene; romanos, cretenses e árabes.” Atos 2: 5, 9-11.
O cenário está pronto, e, diante do “mundo”, os discípulos. O que fazer cercado desses representantes de todas as nações da Terra? Como aproveitar a magna oportunidade? Observe a narração de Lucas:
Atos 2: 4
“E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar NOUTRAS LÍNGUAS conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.”
Graças a Deus, foi resolvido o problema; os discípulos falaram OUTRAS LÍNGUAS, não línguas estranhas. Falaram a língua dos cretenses, árabes, romanos, egípcios, líbios, enfim, os idiomas daqueles que foram a Jerusalém, procedentes de todas as nações da Terra. Se lá estivessem brasileiros, certamente o Espírito Santo concederia o dom de se falar o português.
A preocupação de Lucas ao fazer lista tão extensa dos países (16) presentes em Jerusalém, deixa antever claramente tratar-se de idiomas existentes, isto é, línguas estrangeiras.
Quero que você entenda, meu irmão, que o termo “língua estranha” é estranho aos propósitos de Deus, porque, na verdade, os discípulos falaram línguas que não eram estranhas (esquisitas); eram línguas desconhecidas para eles, porém, existiam, e passaram, pelo poder de Deus, agora, a falá-las fluentemente. Reafirmo-lhe: Eram as línguas dos estrangeiros que afluíam para Jerusalém a fim de participar da festa de Pentecostes, e estes mesmos se maravilharam de que aqueles discípulos, embora indoutos, falassem em suas próprias línguas, das grandezas de Deus (Atos 2: 11). Que grande bênção Deus conferiu aos discípulos, capacitando-os a cumprir o IDE.
Quando aqueles forasteiros voltaram para suas nações, cada um levou, maravilhado, a mensagem do Jesus que salva e liberta do pecado; e então foram mensageiros aos seus conterrâneos, dando testemunho vivo a favor do evangelho de Cristo. Aleluia! Glória a Deus!

EXEMPLO DE LÍNGUA ESTRANHA

“Reid Simonns (nome alterado) parou um momento em seu sermão, para dar tempo a que o intérprete traduzisse suas últimas frases. A multidão de japoneses, reunida naquela esquina de Tóquio para ouvir o que o soldado americano tinha a dizer, subitamente deu demonstração de espanto. Todos mantinham seus olhos fixos no jovem ocidental, sem voltarem ao intérprete. Reid repetiu a sentença e esperou novamente pela tradução. Foi quando alguém declarou: ‘O senhor não precisa de tradutor. Está falando japonês!’” – Atalaia, 3/76, pág. 4.

Sim, irmão, era o que realmente acontecia. Ali estava um jovem que, embora tivesse grande paixão pelos pecadores, ao ponto de deixar sua pátria e atravessar os mares em busca dos pagãos, nunca falou japonês em sua vida, mas pregava agora nesta língua, apelando aos nipônicos para aceitarem a Cristo como Salvador. Nessa reunião, seis preciosas almas aceitaram a Cristo.
Ó, amados, eis aqui o verdadeiro dom de línguas. Este sim, é o dom de Deus; o dom derramado no Pentecostes. Saiba, irmão, hoje, se esgotados todos os meios que temos para falar outras línguas, se fechadas todas as Sociedades Bíblicas ao redor do mundo, impossibilitando-as de traduzir para a língua materna; se fechadas todas as Universidades, Colégios e Escolas, onde se preparam missionários para aprender línguas estrangeiras, Deus voltará a repetir o Pentecostes, e a última alma será advertida do breve regresso do Senhor Jesus, a quem sejam dadas agora e para todo sempre, honras e glórias.

CURA OU SALVAÇÃO
Os dons do Espírito Santo são reais. Pertencem a igreja de Deus. São para nós e estão ao nosso alcance. Entrementes, temos que nos conscientizar que há condições impostas por Deus para serem concedidos.
O dom de línguas acabaria (I Cor. 13: 8). Outros seriam mais necessários em determinada ocasião da história da igreja de Cristo. Outro concluiria a Obra do Senhor, como é o caso da “Chuva Serôdia”, etc.
Efetivamente, Deus quer agraciar Seus filhos com tais bênçãos, porque Ele é o mesmo e o Seu poder não mudou. Se for útil no momento, Deus dará (I Cor. 12: 7).
Infelizmente, o que vemos hoje é muito exibicionismo. Homens e mulheres “usando” o Espírito Santo ao invés de, por Ele, serem usados. Não há como negar que, uma verdadeira desvirtuação dos dons solapa a Igreja Evangélica. Uma “roda-viva” que está levando de roldão muitas pessoas sinceras e tementes a Deus. É preciso ter cautela, e nos adequar ao que o bom senso exige.
EXEMPLO: Para alcançar o mundo com o IDE, Deus capacitou Seus discípulos com o dom de línguas (Atos 2: 1-13). Por quê? Seria impossível cumpri-lo naquela época, sem escolas preparatórias, universidades, academias de letras e bons professores. Como aprender 16 línguas sem tais recursos? E, leve-se em conta, os discípulos eram homens que, em média, tinham quarenta anos de idade, de pequena cultura e rudes (Atos 4: 13).
Hoje, porém, o panorama é outro. Na área da educação, o mundo evoluiu incomparavelmente com o tempo dos apóstolos. Uma criança de dez anos hoje pode começar a estudar qualquer língua e estará capacitada nela antes dos vinte.
OUTRO EXEMPLO: O Espírito Santo transportou Filipe por centenas de quilômetros como num “passe de mágica” (Atos 8: 39-40). Hoje existem aviões que voam a uma velocidade quase incrível. Se Filipe naquela ocasião gastasse vinte horas para o percurso que teria de fazer, hoje levaria não mais que uma hora, se tanto, em aviões especiais. Por isso, distâncias não são, também, barreiras hoje.
O dom de cura à época de Jesus era não só necessário, mas vital. A promiscuidade de vida (falta de higiene, de rede de esgotos e de água potável) facilitava a doença. Não havia hospitais, médicos, remédios suficientes, nem recursos para tal. Operações eram feitas sem anestesia. Pessoas ficavam doentes 10, 20, 40 anos e morreriam fatalmente, não fosse o dom de cura (João 5: 4-5; Mat. 9: 20). Hoje, tudo mudou. A ciência médica evoluiu a tal ponto que até fígado se transplanta com sucesso. Além do que, prolongou-se, comprovadamente, a vida humana, graças ao avanço médico.
Que dizer da Rede Hospitalar? Equipamentos computadorizados e a raio-laser a serviço da medicina. Processos avançadíssimos para exames de saúde. Liga-se alguns fios a um corpo e, na TV aparece seu coração batendo com tanta nitidez que, a primeira reação é louvar a Deus por ter o homem chegado a tal ponto da tecnologia médica. Trocar um coração doente por outro bom, hoje, é tarefa sem mistérios.
Médicos bem preparados e capazes, remédios eficazes para qualquer tratamento de saúde. Sim, as condições hoje são opostas àquela; além disso, um hospital evangélico pode realizar grande trabalho para Deus, porque, além de promover a saúde do paciente, pode orientá-lo a evitar as doenças, através de uma vida regrada e salutar, orientada por princípios salutares, descritos na Bíblia.
Bem, dirá você, e o poder de Deus? – É o mesmo, irmão! Porém Deus age quando “tiramos a pedra” (João 11: 39), salvo em casos especiais que Lhe aprouver. Inquestionavelmente, a nossa parte temos que fazer, porque Deus só fará o que não podemos. Nossa impossibilidade torna-se a possibilidade dEle. (Fui a uma igreja carismática no centro de Niterói, e, ao meu lado assentou-se uma senhora com uma ferida enorme, cheia de pus, na perna. Dava dó! O pastor iria orar pela perna dela. Mas, a única coisa que ela precisava imediatamente, era ser levada ao hospital).
IMAGINE: Uma reunião de cura. O pregador quer “curar” a todos. Todavia, o certo seria, primeiro, certificar-se de que muitas enfermidades provém da aberta transgressão da Lei da Saúde (João 5: 7-14). As pessoas têm que ser ensinadas a não transgredi-la para gozar boa saúde. Se uma pessoa sai curada desta reunião e volta a ter hábitos incorretos de saúde, arruina-la-á com certeza, e novamente Deus terá que curá-la? Deus não efetuará um milagre para curar alguém que não cuida de sua saúde, não acha?
A saúde não é produto do acaso, nem surge por um “passe de mágica”, e sim, manifesta-se pelo respeito às leis da vida. Deus quer que Seus filhos tenham boa saúde… por isso, criou leis preservativas da saúde, que, ao serem violadas, trazem enfermidades. O apóstolo Paulo é claro:
Gálatas 6: 7
“Aquilo que o homem semear, isto também ceifará.”
Esta é a lei da causa e efeito e o homem lhe está subordinado. Os dirigentes pois, tem a obrigação de instruir os membros da igreja a cultivarem uma completa Reforma de Saúde, que, sobretudo, é uma orientação divina.
Creio absolutamente no poder de Deus. Em nosso culto do poder aos Sábados e domingos às 6:00 h da manhã, na amada Igreja do Barreto, temos tido evidências do poder curativo de Deus. Entre outros, cito o caso do menino Rodrigo, neto da irmã Maria Madalena que, desenganado pela medicina, recuperou a saúde plenamente, deixando médicos e enfermeiros estupefatos, e a todos nós alegres pela confiança que havíamos depositado em que Deus operaria segundo Seu beneplácito.
A cura, como milagre, ocorre em momento crítico, específico e circunstancial. Não pode ser um comércio vaidoso, nem modismo, ou pressão psicológica. Deve traduzir o profundo amor e misericórdia pelo sofredor. Isto ocorreu-me:
O Nelson morava em nossa casa (Rua Expedicionário, 28 – Barreira do Vasco/RJ). Certa vez caiu de uma escada e ficou com órgãos internos lesionados, que lhe causavam terríveis dores.
Procurou diversos médicos, hospitais e clínicas na esperança de ficar curado, porém, sem resultado. Era penoso vê-lo passar noites em claro, chorando de dor.
Um dia, movido de enorme compaixão daquele jovem, fui para a nossa sala e clamei em voz alta: Quem crê no poder de Deus venha cá. Vamos orar pelo Nelson agora.
Minha mãe, Galiana Gonzalez, meus irmãos Afonso e Sérgio Gonzalez, e o Jorge Laureano (outro jovem que morava conosco), se aproximaram.
Fomos então até o quarto do Nelson que se contorcia em dores. Ajoelhamos e orei por ele, reclamando a bênção de Deus. Instantaneamente a dor desapareceu. Está curado até hoje, mais de 30 anos. Glória a Deus! Aleluia!
A cura milagrosa também ocorre como resposta às orações fervorosas, eficazes, amorosas, misericordiosas. Veja só:
Recebo milhares de cartas e telefonemas maravilhosos do Brasil inteiro. Um dia telefonou-me o irmão Militino. Não o conhecia. Disse ele que desejava doar um livro ASSIM DIZ O SENHOR a cada padre, bispo e freira de Pernambuco. Comprou-me centenas de exemplares. Ia pessoalmente à casa destas pessoas, carregando nas costas pesada bolsa de livros. Como era muito peso, por se tratar de um homem idoso, convencionamos que eu enviaria o livro direto de nossa Editora via Reembolso Postal pago, até a residência de cada um.
O irmão Militino foi até a Sede Episcopal da Igreja Católica, conseguiu um manual contendo todos os endereços que precisava. Confeccionou um folheto, onde, com palavras amorosas e decisivas, convidava a pessoa a descobrir e amar a Verdade.
Daqui de nossa Editora ADOS saíram centenas de exemplares do Assim Diz O Senhor e Verdade Presente, contendo dentro deles o panfleto do irmão Militino. Além de Pernambuco, outros estados do Norte e Nordeste foram alcançados com este lindo trabalho, deste santo missionário.
Para minha alegria e gratificante surpresa, um dia o irmão Militino telefona-me marcando um encontro na Igreja Adventista de Botafogo/RJ, pois passaria uma temporada com seus parentes no Rio de Janeiro. Fui correndo conhecê-lo. Oitenta anos. Lúcido, objetivo, desenvolto. Visitou algumas vezes nossa Editora, vindo de Copacabana. E ele disse-me: “Irmão Lourenço, eu ando devagarinho porque possuo um câncer de próstata.” Pediu-me que todos orássemos por ele.
Este amado irmão, transferiu-se para uma Clínica Adventista de tratamento natural em São Paulo, onde moraria, cuidando da saúde. Adquiriu-me mais três pacotes de literaturas pois está no seu sangue o ministério da página impressa. Nem a idade, ou o câncer o impossibilitam de andar distribuindo livros a mão cheia.
No dia 2/1/1996, o irmão Militino telefonou desejando-me um ano de vitórias e entre as boas notícias, disse-me: “Irmão Lourenço, o meu câncer desapareceu. Os médicos não compreendem o que aconteceu. Eu quero agradecer as orações de todos vocês que oraram por mim.” Glória a Deus. Aleluia!
Dia 28/4/1996, 22:00h o telefone soou e uma voz possante disse: “Lourenço Gonzalez?” Emocionado respondi: Meu amado Clóvis, por que você sumiu?
Não nos víamos desde quando o programa radiofônico da ARJ – “AVANTE MOCIDADE”, foi retirado do ar, há dez anos. Clóvis disse: “Estou muito triste. Uma dor enorme rasga meu coração. Meu filho Rubinho, um rapaz de 28 anos, a esperança que continuasse minha carreira com sua voz metálica… O médico abraçou-me na sexta-feira e disse: ‘Sr. Clóvis, o que era possível fazer através da medicina, fizemos. Não posso garantir-lhe ver seu filho no meu próximo plantão.’”
Clóvis continuou: “Suportei sexta e ontem, mas agora, estou precisando ouvir um amigo. Creio que você é este amigo. Depois de rebuscar na memória lembrei-me do seu telefone. Venha aqui orar por ele amanhã.” Eu lhe falei: Clóvis, vou orar agora e de madrugada, e amanhã estarei aí.
Dia 29/4/1996 – 15:00h, coloquei azeite num vidrinho, fui ao meu lugar de encontro íntimo com o Céu e apresentei-o a Deus em oração. Cheguei ao hospital às 18:00h. Ao ver o Rubinho compreendi o diagnóstico do médico. O vírus HIV já havia feito sua ruína total no esôfago e estômago.
Naquele momento, invadiu-me profundo sentimento de compaixão por aquele jovem. Falei-lhe palavras motivadoras da fé. Levei-o a crer no milagre. Li parte do Salmo 64 e depois Tiago 5:14-15. Assegurei-lhe com firmeza: Rubinho, estou aqui para reclamar esta promessa. Creia e confie.
Dei o vidrinho de azeite à sua mãe e disse: Irmã Felizarda, quando eu estiver orando, o Espírito Santo vai lhe dizer para ungir seu filho. Então coloque um pouco de azeite sobre a testa dele e afague-a com sua mão. Depois coloque um pouco de azeite sobre o seu estômago e alise-o todo, com carinho. Ajoelhamo-nos com fé e emoção. Após a oração, levantamo-nos e fomos, os três, até o elevador. Fui levar a irmã Felizarda em casa e Clóvis voltou ao quarto do filho.
Ao entrar no quarto, Clóvis viu o Rubinho assentado na cama e os tubos jogados ao chão. Então falou: “Meu filho, o que houve?” “– Não sei, a borracha do nariz que estava ligada ao estômago, pulou…”, respondeu Rubinho.
Rubinho teve alta, e no dia 14/5/1996 eu e minha esposa fomos visitá-lo em casa. Rubinho, com os cabelos penteados, disposto, alegre e feliz, entre tantas coisas bonitas, disse: “Eu estava a seis meses sem mastigar nada. Após a unção, minhas úlceras cicatrizaram-se imediatamente, então desci e fui comer um sanduiche lá no trayler.”
Depois, a irmã Felizarda falou: “Naquela noite que o Clóvis lhe telefonou, eu fui dormir muito triste, porque, o médico disse que estava tudo aberto dentro do Rubinho, sem mais nenhuma esperança de cicatrização. Mas, na noite seguinte à unção, o médico que dissera estar tudo aberto disse: ‘Não compreendo, está tudo fechado.’”
A medula não fabricava mais glóbulos brancos (leucócitos), que são a defesa do organismo. Disse o Rubinho: “Antes da unção os exames davam conta que eu tinha apenas 500 leucócitos. Ninguém pode viver com isso. Por isso me desenganaram. Porém, após a unção, inexplicavelmente, ela subiu para 2500, e, após os exames, continuou subindo.
No dia 25/5/1996, voltamos a visitá-lo e sua mãe disse: “O Rubinho comeu ovos, manteiga, legumes e seu estômago não rejeitou. Ele está curado completamente.”
No dia 29/5/1996, o Rubinho faleceu de parada cardio-respiratória. No sepultamento, falei a uma multidão que, morrer não é problema, porque ricos e pobres, grandes e pequenos, um dia morrerão. Ali estava pois, para celebrar a vida e comprovar que há sempre um propósito no milagre e o tempo para Deus não é o mesmo que o nosso. Deus sempre sabe o que faz!
O rei Ezequias viveu quinze anos após o milagre. Pedro foi salvo da prisão, passando na frente de 16 guardas romanos armados, sem que o vissem, todavia, morreu assassinado numa cruz de cabeça para baixo.
Paulo Rubem teve trinta dias de vida, certinhos. Para quê? Por quê? Não é hora de perguntas e sim de reflexão. De tirar as lições necessárias e estar convictos que trinta dias é tempo suficiente para que a juventude saiba de uma vez por todas que o mundo só oferece dor e sofrimento, que longe de Jesus não existe nenhuma segurança, nenhum prazer e nada de felicidade.
Trinta dias também é tempo suficiente para que os que estão dentro do aprisco revejam sua situação espiritual e os que estão fora voltem correndo. Glória a Deus. Aleluia!
O Rubinho morreu convertido e salvo. Ao voltar do hospital, voltou também para Cristo. Nestes trinta dias, repetidas vezes, demonstrou, de forma clara, sua religação com o Céu, dizendo à irmã Felizarda: “Mamãe, nosso estilo de vida agora é outro.”

Hoje, o dom de curar está personificado na medicina. Porém, nunca descri no grande poder de Deus para curas imediatas, se for de Sua vontade e para Sua glória. Tenho também ouvido de muitos irmãos nossos, verdadeiros milagres.
É nestes parâmetros que temos de agir, e com a máxima prudência, primeiro para que ninguém pense que o poder é seu próprio e não de Deus; e, segundo, Lúcifer contrafaz tudo que promana de Deus, e uma cura pode representar o preço de uma alma que custou o sangue de Jesus. Isto é, o diabo pode curar alguém, e retê-lo para a perdição.
– Duvida?
– Então, explique as “curas” fantásticas operadas pelos Et’s, ocorridas no espiritismo, por exemplo. (Leia o capítulo: PROFECIAS DO DR. FRITZ, pág. 267).
Por isso, o que temos que dar ao povo é a certeza da salvação em Cristo Jesus, ensinando-lhes os princípios de saúde apresentados na Bíblia, doutrinando-os para desenvolverem uma firme fé e confiança no Pai Celestial, e não nos milagres ou nos milagreiros.

É A VONTADE DE DEUS OU DO HOMEM?
Jesus ensinou claramente: “Tua vontade, Senhor, seja feita” (Mat. 6:10). Se observarmos bem, os operadores de milagres e curas modernos não estão exaltando a pessoa de Cristo, conquanto pronunciarem este sagrado Nome constantemente. Fortuitamente se estão promovendo como se Deus fosse uma agência de publicidade. Sim, eles não dizem que as enfermidades são resultantes da transgressão das leis divinas, mas vão dando ordens de cura, e Deus, segundo eles, terá que atendê-los. Com clareza se observa, em muitos centros de curas, que não é a vontade de Deus que há de prevalecer, mas a deles.

“MINHA GRAÇA TE BASTA”

Paulo foi agraciado pelo Céu com uma revelação de Jesus. Viu-O em glória (I Cor. 9:1). Recebeu o poder do Espírito Santo e a incubência de evangelizar os gentios (Atos13:46 e 47). Porém, estava com a saúde debilitada. Um espinho na carne (doença nos olhos II-Cor. 12:7; Gál. 4:15; 6:11) lhe prejudicava o trabalho. Três vezes orou pedindo cura. Deus respondeu: “A Minha graça te basta” (II Cor. 12:7-9).
Será que não há aqui uma lição prática, objetiva e oportuna para os pregadores de cura? Eis que indiscriminadamente o fazedor de curas quer que Deus cure a todos. O interesse do milagreiro é a cura, mas o desejo de Deus é a salvação do ser humano, porque, na primeira ressurreição, os salvos que morreram doentes ou sãos receberão corpos glorificados, perfeitos e com saúde total.
É um acinte exigir que Deus cure um enfermo de bronquite ou câncer pulmonar causados pelo cigarro sem que ele deixe o hábito de fumar. É uma irreverente pretensão e enorme presunção não instruir o enfermo a confessar seus pecados a Deus e a suplicar-Lhe perdão e poder para abandoná-los.
Tais operadores de cura deveriam saber que, muitas enfermidades são “mensageiras” de Deus. Isto é, tem propósitos misericordiosos e disciplinares. Precisam saber que, muitos que anseiam cura, não a obterão, porque os planos de Deus são insondáveis, razão porque afirmou:
Apocalipse 14:13
“Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor, sim diz o Espírito Santo, para que descansem dos seus trabalhos, e as suas obras o sigam.”
FINALIZANDO: Disse Paulo: “Sede meus imitadores” (I Cor. 4:16).
Disse Pedro: “Olha para nós” (Atos 3:4).
Suportará esta prova o testemunho pessoal de tais operadores de curas e milagres? Por experiência própria, pela vivência com muitos deles: Não!
O tremendo abuso de milagres e curas hoje, chegando mesmo a uma ignóbil exploração da boa fé de pessoas humildes e sinceras é uma prova eloqüente do cumprimento de um dos sinais do fim (Mat. 24:24).

“Se ouvirdes atento a voz do Senhor teu Deus, e obrares o que é reto diante de Seus olhos, e inclinares os teus ouvidos aos Seus MANDAMENTOS, e guardares todos os Seus estatutos, nenhuma das enfermidades porei sobre ti, que puz sobre o Egito; porque Eu Sou o Senhor que te sara.” – Êxodo 15:26.

TENHO OU NÃO O ESPÍRITO SANTO?
Há uma desconfortável doutrina corrente nos anais evangélicos pentecostalistas de que os crentes que não falam línguas “são templos desertos, apesar de terem dez ou quinze anos de convertidos e de fidelidade ao Senhor, levando-os deste modo a chorarem e lamentarem sua orfandade e abandono.” – Luz Sobre Fenômeno Pentecostal, Elemer Hasse, pág. 24.
São pois, assim, ensinados os crentes a buscarem, com sofreguidão e, tenazmente, o “sinal” do batismo – (línguas). Se as emoções desenfreadas e as algaravias (línguas) que são a confirmação de sua fé não ocorrerem, ficam em dúvidas quanto à sua experiência com Cristo, mostrando assim que não têm certeza da sua salvação; mas, se ocorrem as “línguas”, tudo está resolvido, pensam!
Precioso irmão, se somos filhos de Deus (Rom. 8:16), cristãos legítimos, tenhamos a doce convicção a nos inflamar a alma de que temos o Espírito Santo. Sim, todos os filhos do Pai Celeste estão selados com Ele. Senão, “pensa na sua experiência com Cristo. Lembre-se do tempo em que andavas sem paz, não tendo esperança no mundo. Enquanto isso, silenciosa e pacientemente Alguém tocava em sua consciência – eram aqueles seus momentos de desassossêgo. Certo dia a insistência foi maior: ‘Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a Minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei e ele Comigo’ (Apoc. 3:20). Você abriu. (Bendito aquele dia!). E fêz-se luz dentro de você. Você viu quão negra era sua vida. Aquele Ser divino começou uma reforma ampla no templo do seu coração. Expulsou Satanás com suas vontades; varreu, lavou, arrumou, enfeitou e perfumou a habitação agora renovada para morada do Pai, do Filho e do Espírito Santo (I Cor. 3:16; 6:13-20; II Cor. 6:16; Efé. 2:22). Quando tudo estava pronto, o Espírito de Deus saiu, deixando o templo purificado de sua alma a mercê dos demônios? – Não, graças a Deus! Desde então Ele nunca mais lhe deixou. Habitou seu coração, fechou-o por dentro, selando-o assim para o Céu. Quando Satanás voltou e bateu à sua porta, veio uma voz interior: ‘Aqui não há lugar para você. Este coração está fechado para o mundo e selado para o dia da redenção!’” – Luz Sobre Fenômeno Pentecostal, Elemer Hasse, pág. 23 e 24.
Sim, irmão, esta atuação silenciosa, mas, positiva, sem nenhum gesto estranho ou barulhento em seu coração, que anseia uma completa satisfação, é a atuação do Espírito Santo. Ouça o apóstolo Paulo:
II Coríntios 1:22
“O qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nosso coração.”
“Penhor” é uma expressão proveniente do grego arrabón. Arrabón é “um sinal usado nas transações comerciais para garantir o resto do pagamento de uma compra.”
Como fomos definitivamente “comprados no Calvário”, temos a plena, absoluta e total garantia de receber o Espírito Santo, para nos guiar, convencer, orientar, apelar, interceder, ajudar, etc. (João 14:16, 17 e 26; 16:8 e 13). Portanto, a promessa divina é que, o crente tem o Espírito Santo. Essa certeza deve povoar a mente e o coração do cristão (Efé. 4:30; 1:13). O Espírito Santo é promessa segura do Céu para nós. Faz parte de nossa herança eterna. Ele habita em cada pessoa regenerada (Rom. 8:9; I Cor. 3:16; João 14:17; Atos 5:32).

FUNÇÃO DO ESPÍRITO SANTO
João 16:8
“Quando Ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo.”
É através da atuação do Espírito Santo que o homem reconhece seu pecado e o abandona, para tornar-se morada deste santo Ser (I Cor. 3:16).
O ladrão, via de regra, só assalta às escondidas; e, por que age assim? – Porque sabe que o que faz é errado. E, quem o leva a reconhecer isso? – O Espírito Santo! (Convence-o…).
Da mesma maneira, longe da civilização, sem contato com o homem branco, um índio, em sua taba, quando rouba uma flecha de seu companheiro, o faz também às escondidas.
E, por que o índio age assim? – É porque ele sente que não é certo este ato.
E quem leva o índio a sentir ou saber que o que faz é errado? – É o Espírito Santo que atua em todos os corações, e no dele também.
(Já não lhe aconteceu alguma vez ter a impressão de haver cometido alguma falta, vindo sua consciência a doer, produzindo-lhe profundo pesar e tristeza? Isso é a operação diária do Espírito Santo!).
A influência atuante do Espírito Santo se tornará maior ou menor no coração humano, dependendo da maneira como o homem agir. Se não recusar Seus apelos e atuação, progredirá e se tornará “cheio” do Espírito, e um vaso de bênção; recusando, poderá incorrer no pecado imperdoável (Mat. 12:31), e se perderá.
A atuação do Espírito na vida do crente é tão essencial quanto o é o querosene na lamparina e a gasolina no automóvel. A luz brilha e o carro anda pela atuação destes combustíveis. Ambos, no entanto, se tornarão inúteis quando os depósitos estiverem vazios.
Por isso, há suprema necessidade de se encher do Espírito, não só uma vez, mas, diariamente, constantemente, para testemunhar e brilhar para o Senhor Jesus. O crente sem o Espírito Santo nada realiza.
O Espírito Santo nos “convence” do pecado, isto é, faz-nos sentí-lo, e então, nossas naturezas (carnal e espiritual) entram em luta; quem prevalecer, reinará. Paulo, referindo-se a esta guerra (Rom. 7:20), dá-nos um vislumbre de que não pode haver vácuo no coração humano mais do que poderia haver na natureza ou no mundo físico. A natureza tende, a depressa preencher o vácuo, para evitar a proliferação dos grandes vendavais, tornados e furacões.
O vento é o ar em movimento, preenchendo todos os espaços. O vácuo leva a mudar o vento de direção. Tão depressa o vento volte a preencher o vácuo, o caos pode ser evitado.
Da mesma sorte, o coração humano deve estar constantemente sendo habitado, possuído pelo Espírito Santo. Sua influência santificadora deve ser uma constante em nosso viver, a fim de se evitar uma catástrofe espiritual.
O vento sopra (João 3:8), não o vemos, mas ouvimos sua “voz” e os resultados de sua atuação no espaço; da mesma forma, a atuação silenciosa do Espírito Santo no coração humano é traduzida pelos frutos na vida do cristão.
Assim, como a mangueira só dá manga, a bananeira, banana, o cristão cheio do Espírito Santo produz os frutos do Espírito (Gál. 5:22) normalmente.
Como essas árvores dão seus frutos porque foram criadas para isso, da mesma forma o cristão repleto do Espírito, produzirá gestos e atitudes que lhe São pertinentes.
É fácil saber se o Espírito Santo habita no coração da pessoa, ou se apenas a convence do pecado. Paulo dá a pista: São os frutos do Espírito (Gál. 5:22) e os frutos da carne (Gál. 5:19-21).
Portanto, uma maneira simples, correta e segura de saber se uma pessoa é batizada com o Espírito Santo, não é se ela fala língua estranha, e sim, os seus frutos (Mat. 7:16).
Ser batizado com o Espírito é viver no gozo dEste Ser. É ser semelhante aos discípulos da incipiente Igreja Cristã (Atos 2:44). É viver em perfeita união, despojado de todo sentimento de supremacia, egoísmo, cólera, ira, ódio, amando-se mutuamente e todos a Deus.
Ser batizado com o Espírito Santo é compadecer-se do pobre, socorrer os órfãos e viúvas nas suas necessidades, ajudar o irmão carente, auxiliar o necessitado. Esta sim, é a maior prova do cristão batizado com o Espírito Santo. Estes são, de fato, os frutos de uma vida santificada, lavada, banhada, batizada com o Espírito Santo, que vive, sobretudo, de conformidade com os mandamentos de Sua santa Lei.
Tal cristão está plenamente apto para ser agraciado pelo Senhor (quando Ele o desejar), de receber a “Chuva Serôdia”, isto é, a plenitude do Espírito Santo, para a conclusão da obra do evangelho no planeta Terra.
OBSERVAÇÃO:
Por que aprouve ao Senhor fazer da pombinha, o símbolo do Espírito Santo? Lucas 3:22. A pomba, como este Ser divino, é meiga, sublime, suave, macia, calma e tranquila. Por isso, o Espírito de Deus só atua assim:
No silêncio absoluto…………………………… Hab. 2:20
Sem confusão ………………………………….. I Cor. 14:33
Com decência e ordem …………………….. I Cor. 14:40
Com reverência ………………………………… Heb. 12:28
Sem gritaria ………………………………………….. Efé. 4:31

“VOZ MANSA E DELICADA” (I Reis 19:12)
Louvado sejas, Senhor, pelos séculos dos séculos. Aleluia!

MEDITE NISTO
Meu irmão, Deus não abre mão de santidade e nem negocia com princípios. É muito fácil para você e para mim compreender e aceitar que Jesus veio morrer na cruz e nos conceder vitória, salvação, paz e felicidade. Nada nos custa e nada temos a perder – só a ganhar, não é?
Mas, que lhe parece se lhe disser que o Espírito Santo veio para colocar você e eu na cruz? Isto é, o Espírito Santo veio para crucificar-nos. É fácil ou difícil crer e aceitar isso?
É bem melhor pedir o batismo do Espírito Santo sem que haja qualquer necessidade de reforma ou mudança de vida, não é? É melhor receber tudo de graça e sem esforço, não?
Isto é próprio da natureza humana. Gostar de só receber sem dar nada. É mais fácil comer o que é ruim para a saúde do que evitá-lo. Tomar uma coca-cola (que é veneno comprovado) que beber água pura, estando com sede. É mais fácil comer um carré de porco (outro veneno) que substituí-lo por carne vegetal (de soja).
Meu amado, o Espírito Santo precisa nos colocar na cruz, para que Jesus Se assente no trono do nosso coração. Na cruz terão que ser crucificados o egoísmo, ira, cólera, transgressão, intemperança, presunção e a indiferença ao estudo profundo e sistemático das Verdades bíblicas.

FALAR LINGUAS E O REVESTIMENTO DE PODER

LÍNGUA CELESTIAL — LÍNGUA SÓ COMUNICÁVEL A DEUS?
A Bíblia não fala dessa “língua” com clareza. Há apenas imagináveis vislumbres, indícios ou relances a respeito, e, em uma igreja, lamentavelmente, bastante problemática – a de Corinto (I Cor. 14: 2). Consequentemente, sua aceitação e compreensão varia de pessoa para pessoa. Apenas temos que ficar atentos para não sermos envolvidos nas malhas de Lúcifer. Reitero com veemência que Paulo não era favorável a divulgação desta língua. Proibiu-a claramente. Ouça:
I Coríntios 14: 27-28
“E se alguém falar língua estranha… haja intérprete. Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus.”
Efetivamente, “fale consigo mesmo” é uma força de expressão. Na verdade, o que Paulo quis dizer é: “Fique em meditação com Deus”. Qual o valor de, em nossa oração, formular palavras que ninguém entende? – Que benefício trará a quem ouve?
Paulo diz que, temos de orar com inteligência (I Cor. 14: 15). Isto é: Com lucidez e clareza. Portanto, não cabe, na igreja, no lar ou em outro lugar qualquer, o crente abrir a boca e proferir palavras que ninguém e, nem mesmo ele entende, porque só faz isso aquele que é débil mental. (I Coríntios 14: 23).
Portanto, não há “língua celestial” na Bíblia. Língua é uma forma clara de se expressar. Os coríntios é que, contrário a Paulo, “criaram” um som estranho, sem nexo, sem sentido, sem nenhum valor, uma algaravia que contagiava a todos, daí Paulo pôr ordem na igreja, dizendo com firmeza: “Haja intérprete, ou então, cale-se”. I Coríntios 14: 27-28. (Estes sons chegaram até nós hoje, no século vinte, batizados com estes nomes: “língua celestial, estranha e dos anjos”).
Há pessoas hoje que começam a pregar e, de repente, repetem frases feitas de “línguas estranhas”. E os demais ficam embevecidos, entusiasmados, alegres, excitados, se contagiam logo. Mas, irmãos, o que diz Paulo? “Se não houver intérprete, fique calado.” (I .Coríntios 14: 28). Então, pergunto-lhe:
• Aquelas frases de “língua estranha” tem algum valor?
• Não! Não! Não! Não! A Bíblia as codifica de “vã repetição”. (Mateus 6: 7).
Perdão, amado! Reconhecer a verdade não é pecado. Trata-se de puro exibicionismo, manifestação satânica ou descontrole do sistema sensor (mental).
Há outros que começam a orar e, de repente, repetem as frases feitas de “línguas estranhas”. Frases curtas. Sempre frases curtas de “línguas estranhas” proferidas em meio ao sermão ou oração (veja págs. 249-250). É um hábito que não tem nenhum valor, porque ninguém entende, e Paulo é claro, veja:
I Coríntios 14: 16
“…como dirá o que ocupa o lugar de indouto, o amém, sobre a sua ação de graças, visto que não sabe o que dizes?”
I Coríntios 14: 9
“Assim também vós, se com a língua não pronunciardes palavras bem inteligíveis, como se entenderá o que se diz? Porque estareis como que falando ao ar.”
Irmão, pode haver clareza maior? Por favor, não recuse a Palavra de Deus! Não se deixe levar pela persuasão e emoção. Use a verdade de Deus para quebrar os grilhões da corrente magnética, da vibração da multidão criada pelos destros atores carismáticos com suas tonitruantes frases de efeito dentro das casas de culto. Você é muito precioso para Jesus.
Paulo diz que, tais línguas estranhas não tem nenhuma utilidade, “indoutos falando ao ar”. É o mesmo que uma pessoa desmiolada, virando a cabeça para trás, começasse a cuspir para o ar.
Que pena! Milhares de pessoas sinceras estão sendo enganadas. Crendo no erro pensando ser Verdade! Que pena! Que pena! As pessoas que falam “línguas” hoje, sem perceberem, ficam repetindo frases estáticas, observe! Deus condena a “vã repetição” (Mat. 6:7).

GRÁFICO 1 – PESSOAS

OBSERVAÇÃO
Interessante é que Paulo afirmou: “FIQUE CALADO NA IGREJA”. Mas, as pessoas insistem em fazer o contrário, multiplicando as frases estáticas de línguas estranhas. E pior, agora está aumentando o número dos que repetem estas frases. O culto se torna um delírio generalizado, uma gritaria estridente, uma loucura desenfreada e perigosa, abafando a voz do apóstolo que disse: “fique calado”, “fique calado”, “fique calado!”
• Sinceramente, como aceitar que tal “barulho” é o sinal do Espírito Santo? Abram os olhos, amados, por favor!
CURIOSIDADE
As igrejas que hoje têm como doutrina principal falar “línguas estranhas”, seguindo ao “pé da letra”, o que entendem dos SONS dos coríntios, deviam também determinar que, todas “as mulheres estejam caladas na igreja… Porque é indecente que as mulheres falem na igreja”. I Coríntios 14: 34-35.
Eis aí criado o impasse, pois que, na atualidade, parece que as mulheres falam mais “línguas estranhas” que os homens nas igrejas pentecostalistas renovadas.
OUTRO PROBLEMA
Afinal: homem e mulher; negros, brancos e amarelos, não foram todos alcançados pela Cruz e são livres em Cristo Jesus? Esta exortação de Paulo às mulheres o coloca em posição discriminatória, fazendo acepção de pessoas?
• Não! Ele é contra tal atitude. Eis as provas:
Romanos 2: 11 – “Porque para com Deus, não há acepção de pessoas”.
Efésios 6: 9 – “E vós senhores, fazei o mesmo para com eles, deixando as ameaças, sabendo também que o Senhor deles e vosso está no Céu, e que para com Ele não há acepcção de pessoas”.
Então, há contradição na Bíblia?!
• Não! Paulo está apenas dando conselhos para “estabelecer ordem à confusão reinante” na igreja de Corinto por causa do “desvio” do Dom de Línguas.
O DOM PERFEITO
Feliz é a igreja que possui o dom de profecia, pois além de ser o mais importante, somos instados pelo apóstolo Paulo a buscá-lo. I Coríntios 14: 1. – Por quê?
• Porque edifica a igreja (I Coríntios 14: 4).
• É sinal dos fiéis (I Coríntios 14: 22).

Dois rapazes evangélicos conversavam numa fila de caixa do Supermercado Sendas-Barreto, Niterói/RJ, quando, um deles, que “malhava” um pregador, disse: “Ele quando prega a Palavra não convence ninguém, só quando fala língua estranha, convence!”
Aquele rapaz confirma com clareza meridiana a grande verdade de que o Espírito Santo nada tem a ver com estes movimentos carismáticos, envolventes, sedutores, contagiantes que mencionam o sacrossanto Nome do Senhor Jesus.

I CORÍNTIOS 14: 2
“Porque o que fala língua estranha não fala aos homens, senão a Deus; porque NINGUÉM ENTENDE, e em espírito FALA DE MISTÉRIOS.”
Os irmãos pentecostais fazem deste texto a fortaleza inexpugnável para provar as “línguas estranhas” que falam. Interessante, a palavra “estranha”, aqui neste verso, adquire para eles uma aura de mistério, algo impenetrável, ininteligível. Dizem, por isso, ser a língua dos anjos ou língua celestial.
Não se deve esquecer entretanto que, o vocábulo “estranha” é uma adição especial dos tradutores (não consta do original) e o sentido que queriam dar é de desconhecido ou estrangeiro.
EXEMPLO: Uma pessoa estranha, não quer dizer que seja misteriosa, anormal, esquisita ou extraordinária, mas, simplesmente que é desconhecida.
Bem, este texto não pode, de forma nenhuma, ser isolado do contexto geral que focaliza o assunto, por força da honestidade bíblica. E, a sua interpretação também carece de nossa parte, santa humildade para alcançar a profunda sabedoria do apóstolo São Paulo.
Realmente, o “… nosso amado irmão Paulo tem em suas epístolas coisas difíceis de entender, que os indoutos e ignorantes torcem, como também as demais escrituras, para sua própria perdição”. II Pedro 3: 15-16. Por isso, é impreterível que usemos a regra áurea na interpretação da Bíblia, qual seja: deixar que “as coisas fáceis de entender derramem sua luz sobre as difíceis.”
Antes de mais nada, transcrevo o que disse um dos maiores líderes pentecostais – Brumback – referindo-se ao Dom de Línguas:
“Quem já viu o verdadeiro, reconhecerá por certo o falso. Falar OUTRAS LÍNGUAS VERDADEIRAS como o Espírito Santo concede que fale, excede grandemente a imitação falsa e fanática.” – Que Quer Isto Dizer, pág. 102. Grifos meus. Citado por Elemer Hasse.
Observe que este afamado escritor pentecostal admite haver o falso e o verdadeiro, isto é, as manifestações divinas e as da carne, juntas, na igreja. Daí, todo cuidado é pouco na aceitação do que se pensa ensinar o texto de I Coríntios 14:2.
Pois bem, o verdadeiro Dom de Línguas é a capacitação divina de se falar um idioma estrangeiro para pregar o evangelho, sem havê-lo estudado na escola e, isto é, circunstancialmente, visto e provado em Atos 2: 5-11 e ratificado pelos já citados líderes pentecostais Brumback e Donald Gee. Entenda, por mais estes textos, o que é língua estranha:
Isaías 33: 19
“Não verás mais este povo cruel… de língua estranha que não se pode entender.”
Ezequiel 3: 5-6
“Por que tu não és enviado a um povo de estranha fala, nem de língua difícil… Nem a muitos povos de estranha fala, e de língua difícil, cujas palavras não possas entender…”
Portanto, língua estranha que “não se pode entender” é o idioma de uma outra nação, cuja língua desconhecemos. Contudo, ela deixa de ser estranha para aquele que a aprender na escola.
Amado, o problema todo de I Coríntios 14: 2 reside em duas expressões:
• Ninguém entende.
• Fala de mistério.

“NINGUÉM ENTENDE” – não está se referindo a todos os moradores da Terra, sabe por quê?
• O verdadeiro Dom de Línguas é entendível por aquele que fala e por quem ouve. O Pentecostes é a insofismável prova. Atos 2: 5-11. Todos os presentes à festa ENTENDERAM as línguas faladas.
• Se um crente falar uma das 3.000 línguas existentes no mundo, haverá alguém que a entenderá; quando nada por aqueles que pertencem ao seu grupo linguístico, ou seja, seus patrícios e conterrâneos. Portanto, já não será “estranha” para estes.

OBSERVAÇÃO:
Se ninguém entende, ninguém mesmo (no Céu e na Terra), senão só Deus, como afirmam, então os amados irmãos pentecostais equivocam-se ao dizer que se trata de língua dos anjos pois que, dentro da premissa lógica – ninguém entende –, os próprios anjos não a entenderiam!!!
Tampouco poderão afirmar (como o fazem Emílio Conde em O Testemunho dos Séculos, págs. 50, 51, 115, 139, 140, 152, e 156; Brumback em Que Quer Isto Dizer, págs. 102-103) que aqui e ali se falou uma língua estranha que alguém entendeu. Afinal – ninguém entendeu, diz o texto sagrado.
Veja que, pelos escritos dos autores pentecostais acima, prenuncia-se uma divergência, senão contradição entre os que advogam a tese da “língua estranha”. Por isso mesmo, reitero a você, amado, que temos de usar o bom senso, a humildade e a sinceridade de uma criança no entendimento deste texto, comparando-o com o contexto geral do capítulo. A dificuldade desaparece e o entendimento preciso do texto aflora ao ser colocada duas palavrinhas no texto: Veja:
“Ninguém NA IGREJA entende.”
EXEMPLO: Numa igreja onde só há quem fale português, chega um crente da União Soviética. Em dado momento, ele começa a orar na língua russa. Nenhum dos presentes entende o que ele está falando, só Deus compreende porque foi Quem criou todos os idiomas. Para os demais, portanto, o russo “fala de mistérios” enquanto ouvem sem nada entender.
Só o russo se edificou em sua oração a Deus, ninguém mais (I Cor.14:4). Pode até acontecer de alguém dizer “amém”, porém, o fará simplesmente por impulsos emotivos, em virtude do seu desconhecimento deste idioma.
Paulo classifica de indouto aquele que diz “amém” ao ouvir uma oração ou uma pregação em língua estrangeira que não conhece (I Cor. 14: 16). E ele tem razão; como pode alguém concordar com alguma coisa que não entende?
Outrossim, fica claro que, a língua russa, conquanto estranha para muitos, é um idioma existente, falado na Rússia e em muitos outros países e por aquele que o aprendeu na escola. Não é, portanto, “som sem sentido”, sem nexo, estático, imperfeito ou misterioso. É um idioma. Uma língua estrangeira.

“PORQUE O QUE FALA LÍNGUA ESTRANHA”
(no exemplo, é o russo orando)

“NÃO FALA AOS HOMENS”

(porque ninguém na igreja fala o idioma russo)

“SENÃO A DEUS; PORQUE NINGUÉM ENTENDE”

(a oração do russo só era entendida por Deus apenas)

“E EM ESPÍRITO FALA DE MISTÉRIOS”
(a súplica do russo era mistério para os demais, porque ninguém falava esta língua na igreja, mas não era mistério para Deus).
Toda a dificuldade seria contornada se houvesse, na reunião, um crente apenas que falasse o idioma russo. Ele então funcionaria como tradutor para os demais, e, assim, a língua deixaria de ser estranha, o mistério também desapareceria e todos seriam confirmados na fé.
Assim pois, os coríntios não estavam falando um idioma estrangeiro como um dom do Céu, pois que, esse só é dado para um fim específico – pregar aos estrangeiros – e nunca para satisfação pessoal ou porque se quer, a todo custo, por capricho ou para simples exibicionismo.
O certo é que, Paulo, ainda que de maneira velada, estranhou o que estava acontecendo na igreja de Corinto. Não aprovou ele, de forma nenhuma, aqueles sons, por isso que, por orientação do Espírito Santo, para evitar a confusão generalizada, deu estes mandamentos:
•“Falem dois ou quando muito três, durante a reunião.”
•“Cada um por vez.”
•“Não havendo intérprete esteja calado na igreja.” I Coríntios 14: 27-28.

Esta é uma prova inequívoca de que aquela língua não tinha a aprovação de Paulo. Ele foi benévolo com os coríntios, não desejando dizer que seu dom era falso ou estranho; orientou-os apenas para que estivessem alertas, pois que, o verdadeiro Dom de Línguas é diferente; não precisa da interferência humana (tradutores) porque Deus é perfeito. Atos 2: 4, 6-11.
Irmãos, estes mandamentos são válidos, hoje, da mesma forma que o foram naquela ocasião. O Espírito Santo ainda é a autoridade na igreja. O Espírito Santo está vigilante e muito entristecido por ver o mesmo fenômeno de Corinto hoje nas igrejas, e as pessoas acharem que seja Ele o autor. Observe:
O que acontece nas reuniões pentecostalistas hoje? Dezenas de pessoas, todas ao mesmo tempo, falando as chamadas “línguas estranhas”. Ninguém consegue manter o controle. Pelo contrário, em muitas igrejas, a ordem é gritar mais, gemer mais, se emocionar mais, pois que, assim entendem estar agradando ao Espírito Santo, ou quando nada, permitindo-se por Ele ser usado.

Ó, irmãos, é um equívoco. O desejo do Espírito Santo é outro. Ele não agiria de uma forma em Corinto e de outra forma no Brasil. Não, amados, lamentavelmente os Seus mandamentos são transgredidos. Parece que as pessoas não querem mesmo dar ouvidos à Sua voz cálida: “não havendo intérprete, cale-se”.

Sim, amado, a sinceridade me obriga a afirmar, e o faço por amor, creia: As gritarias ensurdecedoras de dezenas de pessoas balbuciando e gemendo com um zumbido dirigido, são manifestações da carne, “… pois não está sujeita a Lei de Deus, nem em verdade o pode estar”. Romanos 8: 7. Eu estou à vontade para dizer isso, porque tenho o apoio dos líderes pentecostais mencionados neste capítulo, que foram claros ao definir a “imitação falsa e fanática” do Dom de Línguas.
Diante disso, digo-lhe, com respeito e amor, não existe na Bíblia,“língua estranha”, “língua dos anjos”, nem “língua celestial”. O que há foi esta dificuldade criada em Corinto, pela contrafação do verdadeiro Dom de Línguas.
Provado está que, a condição espiritual da igreja de Corinto não favorecia a doação do Dom de Línguas pelo Espírito Santo (leia a pág. 233). Todavia, eles o queriam de qualquer forma. E quem faz ou deseja algo do Céu pela sua própria vontade, na carne, pode ser envolvido com facilidade pelo engano do diabo.

VERDADEIRO DOM DE LÍNGUAs

Capacidade de falar outros idiomas sem os haver estudado na escola. Recurso divino para facilitar a pregação do evangelho aos estrangeiros.

FALSO DOM DE LÍNGUAs
Palavras complicadas, esquisitas, místicas, incompreensíveis, proferidas por alguém em delírio, em “transe”, ou mesmo em estado normal (neste caso é pura vaidade, condicionamento da mente, ou exibicionismo).

Na ânsia de falar “línguas”, muitos crentes, sem o perceberem, excitam as suas emoções, estimulam-se com veemência e emotividade, fustigam e ativam mesmo os nervos (*), “com o fim de precipitar desenlaces emocionais, para produzir soluços e gemidos estáticos, ou risos arrebatados, o chamado ‘riso santo’… contudo, denominar o produto destes arrebatamentos (os soluços e gemidos) de línguas, é confusão, porque soluço e gemido não é língua. Muito menos línguas. Língua é um sistema de linguagem pelo qual os seres, dotados de inteligência, se comunicam e se entendem.” – Luz Sobre O Fenômeno Pentecostal, Elemer Hasse, pág. 99.
O supracitado, fiel adventista do Sétimo Dia, Elemer Hasse, nos dá a respeito, um esclarecimento oportuno por experiência própria, haja vista, ter sido um profundo estudioso da matéria, tendo pleno conhecimento dos bastidores pentecostais. Com relação às línguas aí faladas, e, por ele ouvidas, diz:
“A diferença de suas algaravias residia em produzir, ora sons guturais, ora nasais e outras vezes sibilante; numas predominando as sílabas ‘lá’ e ‘que’, noutras ‘ma’ e ‘si’, em desenfreado descontrole, mais ou menos o seguinte: ‘Laralaque, laque, laque! Lique! Lique! Lique! Lique! Salalaque, mamauá, meneasiri, si – sis – si – si – sisi… cára, cá, cá, que!’ etc. São assim, com variantes, as estruturas centrais das chamadas ‘línguas estranhas…!”’ – Idem, pág. 156.
Estas línguas não contêm substantivos, verbos, adjetivos nem outros componentes lógicos da linguagem humana. Por favor, o que é isso, então?
EXEMPLO: Se eu lhe disser:
“Páter Remond Ro En Tóis Uranóis”.
Você entenderia? Dirá que estou falando língua estranha? Bem, esta frase quer dizer: “Pai nosso que está no Céu”, em grego, um idioma conhecido. Aqui há concordâncias verbais traduzíveis, conquanto pareça e seja “língua estranha”.
(*) Esta é a prática usada nos exames de eletro-encefalograma, onde os pacientes, depois de terem os fios ligados nos cabelos de sua cabeça, recebem ordens do profissional para inspirar e expirar suavemente. Depois vai intensificando a aceleração gradativamente, até que, de repente, em muitos casos, o paciente sofre alterações neuro-sensoriais, tendo reações inteiramente descontroladas.
Semelhantemente, isso ocorre em reunião onde há intenso ruído, gritos, gemidos e muita música, e onde a participação física e ativa do crente é real, com palmas, movimento do corpo, olhos entreabertos e intermitentes ordens do líder. De repente, a pessoa entra em estado psico-mental-emocional e começa a emitir descontrolada e estranhamente, sons sem sentidos pelo descontrole do sistema sensor, e dizem ser isso “línguas estranhas”. Qualquer pessoa que presenciar os delírios provocados por alterações orgânicas acentuadas como: estupor, febre violenta, desidratação, descompressão, etc., dirá: está falando língua estranha! É tudo descontrole mental.
O Dr. Tancredo Vilhena Sobrinho esteve, a convite de amigos, antes de ser Adventista do Sétimo Dia, em duas reuniões às quais assim descreveu:
Primeira:
“Comparecemos… numa noite de verão de 1944… a uma reunião no interior paulista, em igreja de um desses grupos religiosos que proliferam em toda parte… Alguém orava em voz alta, súplice e quase chorosa, em meio a… ‘glórias’, ‘aleluias’, ‘améns’, ‘glórias a Jesus’, proferidas por toda a congregação… A oração… era secundada por fervorosas confirmações de ‘batiza ó Pai’, ‘batiza agora’, ‘dá-me o selo’, ‘batiza sim’,… até que um dos presentes desatou a engrolar exatamente isto:–‘ tabititi, tabititi, tabititi (muito repetido), maralá, maralá, maralá, maralá. Siquiá, siquiá, siquiá.”’

Segunda:
“Em julho de 1948, numa cidade menor, próxima daquela… vindo de São Paulo um notável médium especializado em efeitos de materializações espíritas, realizava práticas para seus adeptos… fomos para lá… De repente, um dos médiuns começa a fungar. Está ocorrendo a incorporação, isto é, um espírito chegou e entrou no médium… Um dos presentes… começa a articular palavras repetidas… mais ou menos assim: Macaliti, macaliti, macaliti (ou provavelmente ‘nacaliti’ pois o som não era muito distinto, embora alto). Izabu, izabu, izabu. Macaliti, macaliti… Lambantã, pororó, ciquidi.’” – Revista Adventista, 10/76.
Eis pois, a origem comum do fenômeno glossolálico, numa sessão espírita e num Templo Pentecostal e, agora, no catolicismo, de forma impressionante. O livro Católicos Pentecostais informa que padres, freiras e leigos, estão, também, falando em línguas normalmente. Continue lendo, logo conhecerá esta língua.
Bem, tais línguas são de cinco décadas atrás, e ouvidas por pessoas distantes uma da outra, e tem uma semelhança tremenda, conquanto ocorrerem em dois pólos diametralmente opostos. Agora, perceba as línguas de hoje:
“Cantaialas, alarraias, rAleluias ele cantaialas, glória cantaiala, narraias laia lanarraias.”
Marta Anderson (Pentecostal).

“ALABAXÚ, ALABAXÚ, ALABAXAIA, ALABAXAIA – SURILABATAI”
(Pentecostal)

Notou a diferença das línguas estranhas faladas por irmãos pentecostais, num espaço de 50 anos entre sí? Não houve uniformidade entre as línguas, muito embora o Espírito Santo seja perfeito. Por isso, as línguas relatadas por Elemer Hasse e Dr. Tancredo Vilhena, se assemelham tanto que deve preocupar os sinceros.
Agora, ouça as línguas faladas no candomblé, e veja a incrível semelhança com as línguas pentecostais, predominando a sílaba “ma” e “lá”:
“Terra de Cantarinamaia. Rimaracaxô Select manaios.”
Um querido irmão, egresso do candomblé, hoje membro atuante da Igreja Adventista do Sétimo Dia, disse que, realmente, lá se falam línguas idênticas, tremendamente semelhantes; e outro afirmou que “MANAIOS” é origem de outra palavra que quer dizer: árvore da mata. No candomblé, prosseguiu, MATA está muito ligada com Exú, que é Satanás.
O Dr. Fernando Pretti, funcionário do Governo do Espírito Santo, foi, durante onze anos, membro super atuante da Igreja Pentecostal Maranata. Relatou no livro que escreveu e editamos – A IGREJA DO MONTE, sua incrível conversão à Igreja Adventista do Sétimo Dia onde está há três anos. No dia 4/1/1996, esteve em minha casa e mencionou as línguas que se falam na Igreja Pentecostal Maranata:
“I Uandalamarrai I Chirrai Sirraz (Balabarrás)
I Ulaissí, Ôh Surriei”
Ele disse que todos lá falam estas línguas, mas fez questão de frisar: “A língua Balabarrás era exclusiva minha.”
– Então eu lhe perguntei: O que ela quer dizer?
– Ele respondeu: “Não Sei!”

As línguas do Movimento Carismático Católico são produzidas após cantarem uma linda canção pedindo que o Espírito Santo desça como o fogo, na hora da oração pela cura. A pessoa que as fala e interpreta, o faz em nome de Jesus, em nome da virgem Maria e em nome de outros santos, que menciona à medida que fala. As línguas soam bastante repetitivas e intermitentes, assim:

“SHALABABALALA… BABALABABALA… BALABAIAM… BALABAIAM… BALABAIAM…”

No dia posterior à reunião que estive, conversei com a pessoa que falou tais línguas e pedi-lhe que as repetisse para mim. Ela informou ser impossível, pois era um influxo do Espírito Santo quando descia na reunião.
Então lhe falei: No início do século este “dom” era uma reivindicação apenas pentecostalista, depois foi visto no espiritismo e agora no meio católico carismático. Ela então me disse: “Os cristãos vão se unir. Não diz a Bíblia que haverá um só rebanho e um só pastor?” (A propósito, leia algo interessante na pág. 261).
Meu amado, leia com carinho e tire as conclusões corretas:
Tiago 1: 17 – “Toda a boa dádiva e todo o DOM PERFEITO vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.”
Agora ouça o que disse Robert J . MacDonald discursando para os fidei-comissários, dirigentes e delegados da Septuagésima Sétima Convenção Anual Espírita:
“Um dos mais recentes fenômenos observados no campo da religião é o interesse pela glossolália (dom de línguas estranhas), que já atinge as Igrejas Protestantes tradicionais… Quando o espiritismo moderno surgiu, em 1848, muitos médiuns de então, experimentaram o fenômeno, e até hoje ele segue manifestando-se em certa extensão em nosso meio.” – The Summit 07 Understanding (O Clima da Compreensão Espiritual), Novembro de 1964. Todo cuidado é pouco, não acha?
O saudoso Pastor Roberto Rabelo, orador emérito da Voz da Profecia, conhecido, amado e respeitado pelos evangélicos em geral, afirma o seguinte:
“Competentes linguistas têm ouvido centenas de gravações destes sons e opinam que eles nada têm em comum com qualquer das três mil línguas faladas na Terra. Um deles, de fama mundial, o Dr. Willian Welmers, professor de línguas africanas da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, diz:
‘Até o presente nenhum linguista identificou qualquer emissão ‘destes sons’ como qualquer língua humana real, existente hoje, no passado ou no futuro’ (These Times, 4/70 p. 11). O professor Welmers, que é cristão, crê também que elas não representam línguas dos anjos. Citamo-lo de novo:
‘Mesmo uma língua celestial se ela for traduzível, deve mostrar algo das características da linguagem como a conhecemos. Deus não é irracional, e a linguagem humana existe simplesmente por que fomos criados à Sua imagem.’” – Atalaia 3/76, pág. 11.
Efetivamente, não foi glossolália, não foi língua dos anjos e não foi língua Celestial, o som que os coríntios emitiram, e sim, as mesmas línguas mono-silábicas ouvidas em reuniões carismáticas de hoje, instigados por um descontrole total de suas emoções. E o que é pior, correndo o grande perigo de serem enlaçados pelas artimanhas e ciladas de Satanás. E hoje, milhares caem na esparrela de Lúcifer, indo pelo mesmo caminho dos coríntios. Que você não seja um destes.

OBSERVAÇÃO CURIOSA:
I Coríntios 14: 21
“Está escrito na lei: Por gente DOUTRAS LÍNGUAS, e por outros lábos, falarei a este povo; e ainda assim não Me ouvirão, diz o Senhor.”
Este texto entrou neste famoso capítulo 14 de I Coríntios como uma ilustração feita por Paulo para deixar claro que, quando ele menciona o termo “línguas” quer se referir a idioma e nunca a sons sem sentidos. Se não for assim, este verso está perdido (frase anacoluta), pois não tem nenhuma ligação lógica com o pensamento discorrido pelo apóstolo. Meu amado, o Dom perfeito vem do Alto (Tiago 1: 17). Lógicamente, o dom imperfeito vem de baixo. Por favor, medite nisto com carinho, lendo todo o capítulo com calma.

ENCONTRO ÍNTIMO COM DEUS
Não questiono que cada crente tenha seu “encontro íntimo” com o Senhor. Conforme as circunstâncias, podemos nos “embriagar” de Deus, experimentando momentos de profundo prazer espiritual, que se dá como um sentimento expressivo, entusiasmo agudo e momentâneo, porque nós fomos feitos para Deus, e só nEle encontramos completa satisfação. Isso ocorre bastante comigo.
Entendo também que esta ânsia por Deus, varia de intensidade de pessoa para pessoa no vigor de sua faixa etária. A experiência pessoal com Cristo é inexplicável, pois é vivida e sentida bilateralmente: o crente e Cristo.
Alguns são de vibração intensa. Sua comunhão com Deus é um amplexo vibrante; não raro trata-se de pessoas muito emocionáveis e impulsivas. Porém, não se perde o controle mental se o Espírito Santo atua em sua vida.
Na verdade, quando fechamos a porta de nosso quarto (Mat. 6: 6) e, a sós com o Pai Celeste, podemos entreter uma maior e melhor comunhão; e dependendo do estado d’alma e do sentimentalismo de cada um, podem ocorrer momentos de indizível gozo. E, neste supremo deleite podemos nos alegrar muito, traduzindo os anseios de nosso coração nas vibrações do mais profundo de nosso ser, porém, desacompanhados de contorções, explosões, convulsões ou empurrões; muito menos palavras ininteligíveis.
Assim como o Espírito Santo intercede por nós com gemidos inexprimíveis (Rom. 8: 26), não será demais que, no ápice de nossa comunhão com Deus, Ele nos inunde de gozo, satisfação plena, paz confortante, confiança, tudo isso em meio a copiosas e benfazejas lágrimas.
Nós devemos nos colocar em condições para que as delícias deste “encontro íntimo” ocorra conosco. Se acontecer, será uma experiência a mais em nossa vida cristã. Se, contudo, não ocorrer, não nos fará falta, pois que não as buscamos como se nos faltasse alguma coisa para nos confirmar como cristãos verdadeiros, reais herdeiros do Rei Jesus, ou para sermos salvos.
Nunca devemos buscar nada do Céu através de emoção para fortificar nossa fé. Fé não é emoção. A emoção geralmente é aproveitada por Lúcifer para criar suas sutís contrafações.
Compreendo também que, só devemos buscar esse “encontro íntimo” no recesso do lar, a sós com Deus, longe de tudo que se possa tornar motivo de vanglória, escárnio, exibicionismo ou vaidade.
Ao agirmos assim, uma coisa fatalmente ocorrerá, mesmo que não experimentemos todo o gozo deste profundo colóquio com o Senhor: iremos fortalecer o processo vital da oração particular (sangue da vida espiritual). E não será sem tempo, advertir que, ainda ali, há possibilidade segura de Satanás interferir e enganar o crente, pois ele tem acesso ao quarto do cristão, caso este não ande em toda a Verdade, de maneira que os anjos de Deus levantem uma “barreira de fogo” ao seu redor. Com esta “cobertura”, estará o crente protegido e em condições de ouvir a voz cálida e suave do Espírito Santo. Aleluia! Glória a Deus!

ÊXTASE PENTECOSTAL

Sintonizei a Rádio Metropolitana, num domingo às 14:00 h, no culto da Igreja Pentecostal do Rev. Davi Miranda. Quando este homem iniciou a oração que durou mais de trinta minutos, todos começaram a gritar fazendo incrível alarido, nada se ouvindo. Apertei o rádio ao ouvido para, pelo menos entender a oração; e as palavras dele soavam assim:
ôôôôôôaleluuuuuuuuuuuuuiaaaa abençôôôôôa
meu Deuuuuuuuuuuus, etc.
Entre os gemidos emitidos, e, em meio à oração, soltava impressionantemente uma gargalhada estranha e horripilante. E a multidão batia palmas e gritava freneticamente.
Crêem estes irmãos pentecostais, que tal barulho é a atuação do Espírito Santo enchendo-os do poder, e daí para falar línguas, é um pulo. (Aconselho-o a ler meu livro BABILÔNIA E SUAS FILHAS, onde encontrará subsídio a mais para esclarecimento deste tema).
Uma jovem explicou como as pessoas em uma igreja pentecostal que ela frequentava se tornavam “cheias do espírito”. Disse ela:
“Todos os que nunca tiveram sido ‘cheios’ sentavam-se juntos a frente em fileiras com quase nenhum espaço entre as pernas, de sorte que, praticamente se tocavam uns aos outros. Aqueles que tinham mais experiência assentavam-se atrás. O regente de música ficava em uma plataforma e os dirigia em coros. Dentro em breve, aqueles que estavam na parte de trás eram ‘cheios do espírito’. A seguir, fileira por fileira, os iniciados começavam a falar línguas.” – Lição da Esc. Sab. 3/86.
Outros descrevem isso como uma corrente elétrica que se inicia no pé e sobe para a cabeça, produzindo reações e sensações completamente fora de controle. Como você vê, tudo premeditado por pessoas que descobriram ser a mente altamente influenciável e, por isso mesmo, podem acioná-la para seus propósitos. É lamentável! É uma pena! Mas… é a verdade!
Entrei numa dessas igrejas, em um domingo à noite. Tão logo assentei-me, o ventilador que ficava próximo, apresentou defeito. Chegou alguém para consertá-lo, enquanto o pastor pedia a um diácono para orar. Como de praxe, todos participaram, gemendo, gritando e clamando.
O interessante é que, enquanto todos oravam, o pastor, pelo microfone, e em voz alta, dava orientações sobre o ventilador. Até que, finalmente disse: “Pare, deixe ficar…” Ao mesmo tempo, várias pessoas transitavam para lá e cá e outros abriam e fechavam os olhos, etc. Percebi que o barulho tem mais valor que a reverência nestes locais. E que a intenção é envolver a todos em arroubos de emoção.
O que acontece nestas reuniões é um contágio generalizado, que é muito natural. A rigor, não se sorri em velório, nem se chora em festa de aniversário. Onde há um grupo de pessoas sorrindo a tendência natural é sorrir. Da mesma forma, onde há pessoas chorando, fatalmente todos, ou muitos, chorarão. O estado emotivo contagia até mesmo os insensíveis.
Todo ser humano tem uma vasta região subliminar que envolve a instabilidade nervosa, por isso ocorrem as vertigens, alergias ou pranto descontrolado; “visões”, enunciações vocais involuntárias (línguas estranhas) que, em realidade, são crises emocionais.
A mente é fantástica. Você esquece, por exemplo, algo passado em sua infância. Porém, não fica apagado em sua lembrança; apenas desaparece de sua memória, ficando alojado no subconsciente.
Tais recordações podem aflorar à nossa consciência naturalmente ou em estado de profunda emoção, transes psíquicos, sonhos, etc. Uma pancada na cabeça pode fazer alguém esquecer muita coisa, ou relembrar fatos que havia esquecido por completo. Não é sem motivos que é na mente onde atua o Espírito Santo. Ela é fantástica.
A propósito, destaco do livro “Forças Misteriosas Que Atuam Sobre a Mente Humana” do Dr. Fernando Chaij, editado pela Casa Publicadora Brasileira, cuja leitura aconselho aos irmãos, este precioso parágrafo, da pág. 239. Grifos meus.
“Um clima de excitação geral e forte sugestão coletiva pode curar muitas doenças de natureza histérica ou neurótica. A ciência sabe que neuroses podem produzir no corpo toda espécie de irregularidades funcionais. Até cegueira e paralisia podem ter causa puramente emocional, e tais disfunções podem desaparecer instantaneamente se algo atingir o subconsciente com impacto, visto ser a raiz de muito trauma psíquico.”
A mente é o mais perfeito “computador” existente. Ela funciona com a exatidão de uma máquina fotográfica, captando tudo que alcancem os olhos. A mente é onde atua o Espírito Santo. É ela que comanda toda reação de nosso corpo.
Todos os nossos sentimentos normais, emoções profundas, anseios frenéticos, advém do cérebro por vias naturais; porém, podem sofrer a falsificação de Satanás. Por isso, temos que zelar por nossa mente, trazendo-a sempre cativa a Cristo, com pensamentos nobres e puros; sentimentos de alegria e gratidão, etc.
Há pessoas que vivem à cata de emoções diferentes. Um jovem evangélico me disse ter descido certa ocasião uma ladeira de bicicleta e de olhos fechados, logrando sentir emoções diferentes. Felizmente está vivo.
De igual forma, o arroubo, emocionalismo e êxtase são, para muitos crentes pentecostais, a razão de sua fé. A satisfação de intensa excitação nervosa ou psíquica levando-os a extasiarem-se, é o que anseiam dentro de sua religião. Por isso que, quando ele vai à outra igreja não pentecostal, diz ser uma reunião fraca, fria, sem poder, etc. É porque sua mente se acostumou com aqueles excitamentos, e tudo que for contrário não lhe satisfaz. Sua mente não consegue alcançar mais nada que não seja excitável ou barulhento. (A mente tem estas características: ela pode ser induzida, sugestionada, cauterizada… todo cuidado é pouco, com ela).

TRANSE
Transe é o transpasse psíquico de arrebatamento, do estado consciente para o subconsciente. O arroubo então chega a alcançar o clímax, o ponto máximo, que é a linha de passagem de um estado d’alma para outro. É o seguinte:
A pessoa se excita de emoção em emoção, clamando, gritando, chorando, implorando, gemendo. De repente há o desequilíbrio mental. As emoções ficam descontroladas e a pessoa neste “gozo” faz caretas, trejeitos, ri, chora, grita e geme; então ocorre a dificuldade em articular as palavras. Aí surgem as “línguas estranhas”.
Em tal estado, tudo pode acontecer; por vias normais e sobrenaturais. Pelo lado normal (físico) a pessoa extravasa seus arroubos de emoção (muitos gritos, choro, sorrisos, etc.); pelo lado espiritual, o malígno aproveita o estado emocional e lança sua contrafação. (Há fatos comprovados de crentes que, nestas circunstâncias – cheios do “espírito” – até crimes cometeram. Os jornais noticiaram).
Os crentes de temperamento muito forte chegam com mais facilidade ao clímax do transe. E deste estado contagiante ninguém escapa, ou pelo menos quase ninguém, porque os mais emocionáveis contagiam os menos emotivos.
Fato singular é que as pessoas que foram espíritas ou têm tendências neuróticas e histéricas, ao entrarem para uma igreja de fé pentecostal, falam línguas na primeira reunião (isto é uma realidade comprovada); o que não ocorre com crentes de temperamento pacato e que não têm a facilidade de se emocionarem. Amado, isso é fruto de pesquisa. Fatos comprovados.

PORTAS FECHADAS PARA FACILITAR

Você já pode ter ouvido alguém dizer:
• “O irmão fulano quase foi batizado com o Espírito Santo. Eu o estava observando. Se ele tivesse orado um pouco mais, teria recebido o batismo”. Isto equivale dizer:
• “Se ele tivesse se excitado um pouco mais, teria caído em transe.”
Você sabe porque há aquelas reuniões pentecostalistas de portas fechadas, só para eles? Alguém observou que isto ocorre porque, se tiver um descrente ali, poderá perturbar ou impedir de o crente chegar ao ápice ou êxtase de sua “emoção diferente” (“batismo do espírito”).
Ora, ficaria o Espírito Santo inibido de manifestar-Se só por causa da presença de um estranho? – Aí está a razão porque creio que tais manifestações são inteiramente carnais.
O que ocorre é, que, todos sabemos que pessoas estranhas inibem nossos sentimentos, sufocando assim, lágrimas e sorrisos.
Outro fato a considerar é que, sem entusiasmo, barulho, grito ou gemido, não há o desencadeamento emocional. Quando não há muita música e muita excitação, há menos “batismos”.
As pessoas então ficam anos praticando este ritual: Gritos + barulho + gemidos = emoções fortes que resultam em “línguas”. E a mente, assim, vai sendo deteriorada.
Para facilitar a excitação e precipitar o transe, os crentes são ensinados com insistência a não “resistir” ao Espírito Santo, a “entregar-se”, a “deixar a mente vaga”, etc. Ouvi dizer que tais conselhos são os mesmos do espiritismo e do hipnotismo. Fui conferir e é verdade mesmo!

PORQUE É DIFÍCIL PARAR DE FALAR LÍNGUAS?

Depois de anos repetindo a “língua”, o sistema nervoso passa a funcionar como uma chave elétrica – “liga” e “desliga” – automaticamente.
Em muitos casos há uma deterioração da mente pelo excesso desta prática, de modo que a pessoa se torna incapaz de controlar seu sistema nervoso. Sempre que ela deseja se expressar em seu idioma natural, o órgão da fala desanda em língua estranha. Nesses casos, há necessidade de um reexercício da mente. Uma reeducação mental.
Um irmão que foi de uma dessas igrejas renovadas (que se tornou Adventista, lendo o Assim Diz O Senhor), disse haver lá uma senhora que, constantemente enrolava a língua, soltando uma imensidão de estranhos sons, que ninguém entendia. Isto acontecia quase que involuntário à sua vontade. O diácono então, conhecedor que era do fenômeno, tocava-lhe ordenando-a a calar-se, o que ocorria de imediato. Ela “ligava” e o diácono “desligava”.
Querido irmão, a Verdade pura do Criador, pela atuação do Espírito Santo, tem que entrar no coração através das faculdades mentais pelo processo racional do pensamento, e produzir mudanças radicais na vida. Deteriorar a mente é plano de Satanás, para que ela não alcance a Verdade que liberta, salva, traz paz e gozo no Espírito Santo.

CULTO RACIONAL

A religião de que o homem precisa entrar em transe para sentir gozo espiritual, alegria, contentamento, e penetrar uma “nova realidade”, não se coaduna com os princípios cristãos, porque, tais emocionalismos e êxtases são, fundamentalmente, reminiscências dos cultos pagãos do passado que a Bíblia relata haver Deus ordenado sua destruição total (I Reis 18:22-39). Hoje, entretanto, imperceptivelmente, o diabo está misturando o santo com o profano, o certo com o errado, o calmo e equilibrado com o nervoso, irritadiço e barulhento. Lamentavelmente, existem cultos rotulados de evangélicos que mais parecem cerimônias pagãs do remoto passado, ou, quando nada, muito se assemelham.

Os cultos pagãos (religiões de mistério) praticados pelos magos do velho Egito e feiticeiros primitivos, eram rituais com muita música e participação física de seus adeptos, coletivamente. Não diferem também hoje, senão veja:
As tribos africanas promovem seus rituais com danças exaustivas, intenso ruído de tambores, bebidas e provas de força e coragem.
Os faquires da Índia, misturam mágica e sofrimento (cama de pregos); encantamentos e manuseio de serpentes venenosas, com muita música, canções, bebidas e cerimônias.
As modernas sessões de espiritismo, consistem em uma mesa grande onde, os adeptos, assentados, começam a cantar músicas (pontos) batendo palmas intermitentemente.
No candomblé, os tambores rufam, acompanhados de outros instrumentos musicais, com palmas, batidas de pé, rodopio do corpo, cabeça para frente e para trás, etc.
Na umbanda , a “gira” (cerimônia), geralmente se inicia com invocações das falanges (linhas dos santos) através de “pontos cantados” (cânticos com ritmo marcado por atabaque – tambor).
Todos esses rituais são extremamente contagiantes porque exigem a participação física do adepto ao compasso de estridentes e ritimadas músicas, fazendo-o chegar ao transe espírita que é, sem sombras de dúvida, produzido pelos espíritos de demônios (Apoc. 16:14).
Agora, responda o irmão com sinceridade: Não ocorrem coisas semelhantes nas igrejas renovadas e carismáticas? E no catolicismo? Quem está imitando quem?
Como vê, irmão, o culto que temos de oferecer ao Senhor tem que ser um culto racional (Rom. 12:1), isto é, com raciocínio e inteligência; sim, que expresse também nossa gratidão e alegria, e esta se completa com a música, mas… a música é para louvar a Deus e não para levar ao delírio e êxtase frenéticos.
A música que tem a propriedade de excitar e “mexer” o corpo, a cabeça, os ombros, o pé… FORA COM ELA – esta música é do malígno. A música divina e que deve fazer parte de nossa adoração é aquela que enleva o crente espiritualmente. Que o faz sentir-se junto a Deus, em suaves acordes de melodia eterna.
Portanto, nosso culto não pode, jamais, assemelhar-se às múltiplas formas de rituais explorados pelo diabo.
Ademais, levando-se em conta que nossa mente é por demais influenciável pela sua própria estrutura, temos que trazê-la cativa aos princípios santificadores, subjugando-a ao Senhor em santidade e reverente adoração, porque, música altissonante, ruído intenso, palmas, luzes, rituais e cerimônias emocionantes e excitadas são artifícios que facilitam romper as barreiras da realidade cotidiana e entrar em transe, pois tais artifícios, são potencialmente capazes de provocar alterações no nosso sistema sensor. Abra os olhos amado, e…
Leia a página seguinte com atenção e carinho.

“Há no ministério homens que obtêm êxito dominando os espíritos por meio de influência humana. Eles jogam à vontade com as emoções fazendo os ouvintes chorar, e dentro de alguns minutos sorrir. Com um trabalho desta espécie, muitos são, por impulso, levados a professar a Cristo, e supõe-se haver um maravilhoso reavivamento; mas, ao sobrevir a prova, o trabalho não perdura. Os sentimentos são excitados, e muitos são levados com a onda que parece dirigir-se para o Céu; mas, na forte corrente da tentação, volvem atrás, como um galho flutuando. O obreiro se engana a si mesmo, e extravia seus ouvintes.” – Ellen Gould White.
PARAPSICOLOGIA, diz o dicionário: “Ciência que estuda experimentalmente os fenômenos ditos ocultos, considerando-os fenômenos psíquicos.” Ouça o que a parapsicologia diz sobre as “línguas”:
“O chamado fenômeno glossolálico, ocorre em casos coletivos (reuniões) e em casos individuais (fora das reuniões). Em qualquer caso, não passa de um condicionamento psicológico que acaba extravasando. Nas reuniões há uma excitação coletiva, avivada, por sugestões verbais, sermões, mensagens, orações, ‘glórias’ (no caso pentecostal), que forma uma ‘corrente’ mental, denominada campo magnético. Os mais sugestionáveis têm o cérebro induzido pelas impulsões do inconsciente, o qual tem armazenada a idéia obsedante de manifestar o ‘dom’, ou ser ‘selado’, como dizem. Então sobrevem o êxtase psíquico, e a pessoa fala coisas sem nexo. Extravasou-se o condicionamento. Ao sair do transe, sente um alívio indescritível, que supõe ser o ‘gozo do Espírito Santo’. Satisfez a doutrina e seu desejo.
“Nas reuniões espíritas, o mecanismo difere um pouco. A concentração, pelo silêncio, produz uma tensão-ambiente, que todos percebem. O ar parado e pesado, indica que algo vai ocorrer, e predispõe à expectativa. O campo magnético já se formou, desta vez sem os estímulos verbais. A idéia dinâmica leva o sensitivo (médium) ao transe, com fungações, algumas perturbações motoras, e depois o extravasamento num linguajar que, praticamente não difere do pentecostal. Outras vezes ocorrem ‘incorporações’ e o médium fala mensagens claras e inteligíveis. Pode ocorrer, embora raríssimamente, que o sensitivo fale língua estrangeira conhecida, mas isto situa-se noutra área que refoge ao caso que estamos considerando.
“O fenômeno das línguas extáticas também ocorre numa pessoa fora das reuniões. Neste caso, o indivíduo fica condicionado pelo monodeísmo (idéia fixa, de falar línguas, no caso), e forma, em torno de si, ainda que inconscientemente, uma aura ‘magnética’. Forma seu campo mental com o pensamento concentrado em falar línguas, em ser ‘selado’, e esse pensamento se vitaliza e se planifica com orações persistentes em busca do ‘dom’. Haverá um dia em que se romperá o represamento do inconsciente, extravasa-se o condicionamento e ocorrerá o fenômeno. É o transbordamento da energia contida. E fala coisas que ignora, em expressões desconexas, articuladas em sílabas geralmente repetidas.” – RA, 10/76.
PENTECOSTALISMO CATÓLICO
Meu irmão, será que não podemos visualizar o maior acontecimento da história, isto é, a vinda gloriosa do Senhor Jesus cercado de todos os anjos? Será que tudo que a mídia apresentou recentemente a respeito da posição tomada pelo Vaticano, não o leva a uma profunda reflexão religiosa? Tenho algo para você, leia:
“Cresce o Pentecostalismo na Igreja Católica.” A cada domingo, pelo menos 50.000 brasileiros renegam uma parte do sono matinal para acompanhar as orações que a Renovação Carismática – uma corrente pentecostal fundamentalista da igreja – leva ao ar às 8:30 h pela Rede Bandeirantes de Televisão… Os carismáticos já passam de 2 milhões e mantêm comunidades de preces em todo o território nacional. A Renovação ainda conta com um programa semanal na Rádio São Paulo, que é retransmitido por outras 52 emissoras…
“CURAS – Durante suas reuniões, os carismáticos alegam manter um contato direto com o Espírito Santo. Essa aproximação da divindade lhes daria poderes de cura, profecias, discernimento… Outro fenômeno nessas sessões é o exercício do dom de línguas – locução e interpretação de preces e dialetos extintos ou desconhecidos… Hoje, 135 das 245 dioceses brasileiras já aprovam oficialmente os trabalhos de Renovação Carismática. Mais de 1.500 sacerdotes já passaram pelos cursos e retiros promovidos pela organização… O bispo de Formosa, em Goiás, Dom Victor Tielbeek, afirma que a Renovação é um caminho de retorno aos ensinamentos bíblicos,… mas nem por isso descuidamos dos mandamentos da igreja e do louvor à figura de Nossa Senhora.” – Veja, 23/3/88. Grifos meus.

CONFUSÃO PERIGOSA?!
As Igrejas Pentecostais e renovadas tem, nas suas lideranças, pessoas que unanimente afirmam ser a Igreja Católica Romana, uma igreja herética, idólatra e “mariólatra”. Mas,… como será agora?
Esta igreja que combatem, está também produzindo curas, exorcismo, milagres, êxtases, línguas estranhas, revelações “divinas”, palmas e danças nos seus cultos. E como dizem, o agente é o Espírito Santo, porém, com a mediação de Maria.
Amado, faria o Espírito Santo alguma coisa contrária à vontade de Jesus? É inegável que há um engodo satânico solapando a fé de milhares de pessoas sinceras.
PRESTE ATENÇÃO: Comentando no Jornal Espírita de 6/91, o decréscimo de adeptos do catolicismo romano e a evidente preocupação da Igreja Católica, o sr. Durval Ciamponi, encabeça sua matéria com o expressivo título: “ESPÍRITOS AGORA ENTRAM NA IGREJA”. Disse ele: “Com o movimento amplo do espiritismo e sua crescente aceitação pelo povo; o crescente movimento das Igrejas Pentecostais (que aceitam as manifestações mediúnicas, sob a égide do Espírito Santo);… Para evitar a fuga dos fiéis a igreja busca o misticismo e o sincretismo religioso. Conforme (diz) o bispo Dom Aloisio Sinésio Bom. – ‘O Globo’, de 18/4/91: ‘Isto significa valorizar experiências místicas, utilizar elementos das religiões orientais e até realizar rituais de cura.’”
O sr. Durval concluiu: “O movimento carismático nada mais é que um conjunto de práticas espíritas: captação e doação de fluídos, mediante cura por imposição de mãos (passe).” Grifos meus.
Meu irmão, esta autoridade espírita está dizendo simplesmente que, o que ocorre no Centro Espírita, é o mesmo fenômeno que acontece nas Igrejas Evangélicas Renovadas e agora invade a Igreja Católica em sua área carismática.
Analise, confronte os fatos e veja se não está mais igual que parecido. Pois é!
Aliás, isto não é novo nem novidade. Um espírito maligno já, ao tempo de Paulo, ardilosamente tentou confundir e enganá-lo operando maravilhas, confessando, inclusive, o Nome de Jesus e dando testemunho do Altíssimo. O apóstolo, porém, discernindo tratar-se do diabo, expulsou-o em Nome de Jesus. Atos 16:16-19.
O Espírito Santo foi dado para “guiar a toda Verdade” (João 16:13); se o espírito que está fazendo milagres, curas, sinais, prodígios e produzindo línguas estranhas não revelar ao povo que o Sábado é o Dia do Senhor e que a alma é mortal, não pode ser jamais o Espírito de Deus. João 14:26. Preste atenção:
Católicos Espíritas Evangélicos
Línguas Estranhas falam falam falam
Libertação pregam pregam pregam
curas fazem fazem fazem
Exorcismo praticam praticam praticam
Revelação Divina dizem ter dizem ter
Batismo no Espírito Santo ensinam ensinam

Meu amado irmão pentecostal, meu querido irmão católico carismatico, como vê, há nisto tudo algo muito comum. O que está ocorrendo por trás de tudo isto? Eu sei que você já começa a desconfiar desta igualdade. Sabe, a segurança está somente na obediência à Palavra de Deus. Não tema em decidir ao lado da Verdade.
PENSE NISTO: Se o que separava católicos e evangélicos já não existe mais, podemos visualizar passos largos na caminhada para um decreto religioso, sancionado pelo Estado, onde o domingo, com o apoio dos crentes, vai tornar-se a pedra de tropeço. Aí então estará formada a “imagem da besta” (união da igreja e do Estado, usando o poder secular para alcançar objetivos religiosos – Apoc. 14:9), então caberá a você, procurar a Igreja da Verdade, que mantém a Verdade, por amor à Verdade.
Há, no mundo, um processo silencioso, para a união das igrejas. Muitos evangélicos, membros de tais igrejas garantem: “Não nos uniremos!” Partindo da premissa de que o arcabouço doutrinário fala mais forte e, se nele há uniformidade na sua própria base (domingo – imortalidade da alma), como recusar esta união? Grave isto:
“Papa quer cristãos unidos no ano 2000” – O Globo 22/05/1995. “…O porta-voz do Vaticano Joaquin Navarro-Valls afirmou que o Papa ‘quer eliminar as distâncias cavadas nas lutas históricas’ para a união dos cristãos no limiar do terceiro milênio…’”
No dia 24/11/96 o líder mundial dos Batistas, esteve com o Papa. O Jornal do Brasil publicou a foto de ambos e o Pastor Fanini disse: “… As diferenças entre a fé batista e a fé católica são menores do que se imagina…”
“Em nova Encíclica, Papa defende união de cristãos” – O Globo 31/05/1995. “O Vaticano divulgou ontem a 12ª. encíclica do Papa João Paulo II, Ut unum sint (Que todos sejam um), dedicada totalmente ao ecumenismo. Nas suas 114 páginas, o Papa afirma que o compromisso da Igreja Católica com a unidade de todos os cristãos é irreversível… Mas o problema mais complicado, a que a encíclica dedica mais de dez parágrafos, é o da primazia do Papa sobre a igreja universal. João Paulo II reconhece que esse é um tema delicado para a maioria dos cristãos, mas lembra que, nos evangelhos, Pedro aparece como o chefe e porta-voz do colégio de apóstolos designados por Jesus. Como sucessor de Pedro, o bispo de Roma – isto é, o Papa – deve assegurar a comunhão de todas as igrejas. Ele tem o dever de advertir, alertar, declarar às vezes que uma ou outra opinião são incompatíveis com a unidade da fé; deve falar em nome de todos os bispos e, em determinadas circunstâncias, pode declarar que uma doutrina é fé…” – (Grifos meus).
Compreende como é “irreversível” esta união!
E como será conquistada? As profecias se cumprirão fatalmente. Aqui, um prenúncio do desfecho final. Ouça:
O Globo – 2ª edição, 8/7/98, pág. 30.
“O Papa João Paulo II lançou ontem um apelo… aos católicos do mundo inteiro: que voltem a considerar o domingo um dia sagrado… O apelo do Papa foi feito em Carta Apostólica de cem páginas, intitulada ’Dies Domini’ (Dia do Senhor)… Em nome de todos os cristãos, o Pontífice pediu para que todas as legislações civis levem em conta o dever… de santificar o domingo.” – Grifos meus.
Em sua encíclica Veritatis Splendor (O Esplendor da Verdade), o Papa João Paulo II, dirigindo-se específicamente aos bispos disse: “A oposição aos ensinamentos dos pastores da Igreja não pode ser vista como legítima expressão nem de liberdade cristã nem de diversidade de dons espirituais. É proibido violar tais preceitos. A eles devem submeter-se todos, não importa a que custo.” Percebeu?! Ouça mais:
“LEI DOMINICAL NOS EUA? – Vida moderna, tempos de liberdade. Ditadura, nem pensar. Passado, nunca mais!?? Mas, se de repente tivéssemos uma guinada de 180 graus na História e retornássemos ao totalitarismo medieval, como você reagiria?… Chega-nos a notícia de que os Estados Unidos terão, em breve, talvez já no próximo mandato que se inicia em Janeiro de 97, uma nova constituição, com profundas alterações nos direitos individuais. Os autores da proposta alegam ser a liberdade responsável pela imoralidade crescente no país. E pela primeira vez discutirão, tentando colocar em prática, assuntos relacionados com a religião, tema antes evitado de se misturar com política.” – Jornal O Estado do Paraná, 01/05/96.
Anote o que disse o presidente mundial dos Adventistas, Pastor Robert S. Folkenberg, em Agosto/96, Edição Especial do From The G.C. President:
“ALERTA LEGISLATIVO: No dia 16 de Julho, a liderança da Câmara dos Deputados revelou sua tão esperada revisão da assim chamada emenda da ‘igualdade religiosa’ à Constituição dos Estados Unidos (HJR 184). A emenda proposta é expressada em termos benígnos mas representa um ataque às noções fundamentais da liberdade religiosa e da separação da igreja do estado ao requerer do governo que subsisdie difusamente atividades sectaristas e entidades e que autorize práticas potencialmente coercivas tais como sancionar oficialmente a oração nas escolas e o reconhecimento governamental da religião.
“A emenda proposta porá por terra a prática consagrada da neutralidade governamental nas questões religiosas e a substituirá por um favoritismo estadual à religião. Como tal, essa proposta ameaça a liberdade religiosa de todos os americanos ao perturbar o delicado equilíbrio entre as relações igreja-estado que tem se comprovado ser um grau sem paralelos de proteção para todas as fés, por mais de 200 anos. Espera-se a votação para setembro! Essa iniciativa deve captar a atenção dos Adventistas do Sétimo Dia dada nossa compreensão dos eventos dos últimos dias como descritos nos capítulos finais do livro O Grande Conflito e o capítulo sobre Liberdade Religiosa no livro Serviço Cristão [Ambos de E. G. White].
“De acordo com a informação e análise provida por Wintley Phipps e Alan Reinach, o Departamento de Deveres Cívicos e de Liberdade Religiosa da Associação Geral e União do Pacífico, respectivamente, essa emenda proposta irá efetivamente anular a Cláusula Sobre Igreja Oficial, na Constituição, permitindo ao governo reprimir, controlar e desacreditar a religião nos seguintes termos:
“1) A emenda autoriza (a nível federal, estadual, municipal, regional, etc.) os oficiais do governo a atuarem em sua capacidade oficial para favorecer uma fé religiosa sobre a outra. Os estudantes das escolas públicas podem estar sujeitos ao ensino religioso, quer ou não sua fé seja ensinada. O princípio da regra da maioria irá esmagar os direitos e liberdade das minorias. Isso é dominação religiosa e não igualdade religiosa. Assim cada nível do governo pode experimentar uma intensa competição entre as religiões que buscarão uma condição de favorecimento tendo suas crenças e práticas promovidas pelo governo.
“2) O governo pode declarar a América, ou qualquer porção disso, uma nação ou Estado ou Município Cristão, ou Mórmon ou Nova Era e promover as tais práticas e ensinos da fé dominante. As minorias religiosas em cada comunidade poderão ser pressionadas a se mudarem e viverem onde poderão ser maioria a fim de proteger sua liberdade religiosa. Purificação religiosa? Uma outra Bósnia?
“3) O governo poderá ser requerido a financiar a religião, sujeitando inevitavelmente os grupos religiosos à regulamentação, monitoração e prestação de contas. Atualmente, os grupos religiosos podem e, de fato, recebem fundos para serviços não-sectaristas, especialmente os serviços sociais desde que não façam proselitismo ou estejam engajados em atividades sectárias. A emenda, inicialmente, permitiria às igrejas promoverem sua religião com os fundos governamentais.
“4) Os fundos governamentais para grupos religiosos inevitavelmente conduzirá à uma competição pecaminosa por dinheiro. Uma vez que o governo não pode financiar a todos, os grupos mais fortes provavelmente receberão uma porção desproporcional dos fundos provendo uma vantagem injusta em sua capacidade de competir no mercado das idéias.
“5) A emenda violará a liberdade de consciência dos contribuintes, uma vez que serão compelidos a financiar religiões nas quais descrêem.
“6) A emenda dá a entender que proíbe a discriminação governamental contra os indivíduos devido as suas crenças ou práticas religiosas. Mas tal discriminação já está proibida na Cláusula do Exercício da Liberdade e da Lei de Restauração da Liberdade Religiosa.
“A emenda, falsamente, alega ‘esclarecer’ a lei existente. Antes, ela pode lançar a lei em meio a uma confusão de miríades de demandas judiciais e conflitos. A Constituição já protege contra os abusos que se está buscando ‘corrigir’ por meio dessa emenda. Verdadeiramente a oração voluntária sempre foi permitida nas escolas públicas. As pregações e atividades religiosas já estão protegidas da coerção governamental.
“Ao requerer tratamento igual para as religiões e atividades seculares, os grupos religiosos podem perder muitos dos benefícios atualmente desfrutados sob muitas provisões legais. Os grupos religiosos podem ficar sujeitos às leis de não-discriminação, requerendo que se engajem em atividades que estarão em conflito com suas crenças.
“Para informações adicionais, contatem Wintley Phipps do Departamento de Deveres Cívicos e de Liberdade Religiosa da Associação Geral: 12501 Old Columbia Pike, Silver Spring, MD – 20904, USA; Telefone: (301) 680-6000.”
Vai anotando isso aí:
Tempos atrás uma comitiva Adventista visitou o então presidente dos EUA, Ronaldo Reagan. Este, informou que a plenitude de liberdade ameaça a estabilidade do país. Que os EUA ganharam a guerra atômica contra o Japão, mas está perdendo a guerra econômica com este pequeno país. Que a dívida interna dos EUA é muito grande. Que o desequilíbrio econômico prejudica os pobres. Que a soberana Constituição americana não pode continuar intocável.
Disse mais o presidente Reagan: Que os muçulmanos guardam a sexta-feira. Que os judeus e Adventistas o Sábado e os Católicos e Protestantes o domingo. Que o sucesso do Japão é o trabalho, e uma nação endividada não pode deixar de trabalhar três dias por semana. Tudo verdade! Isto equivale dizer: O domingo será o motivo para equacionar este grave problema mundial. – Quem viver, verá!
Tomás de Aquino, eminente católico do século 13, ensinou algo que nunca foi repudiado. Ouça:
“Em relação aos hereges, dois pontos devem ser observados: um, quanto a eles, e outro quanto à igreja. Quanto a eles, há o pecado, pelo qual devem ser separados da igreja pela excomunhão e também afastados do mundo pela morte… Se falsificadores de dinheiro e outros malfeitores são condenados à morte pela autoridade secular, muito mais razão com relação aos hereges, depois de convencidos da heresia, não somente serem excomungados como também mortos.” – Tomás de Aquino, Summa Theologica, Parte 2 da 2ª Parte, Questão XI, Artigo 3º.
Herege, para este teólogo, é todo aquele que insiste em viver de acordo com a Bíblia e não de acordo com a tradição.
Existe, hoje, uma enorme pressão nos EUA para reduzir a separação entre Estado e igreja. O tempo para o desfecho derradeiro no conflito entre o bem e o mal se aproxima. Logo, todos terão que optar: Verdade ou Inverdade.
– Que é a Verdade? Leia a página 93.
Três grandes poderes no
fim do tempo tentarão subverter a
Verdade e des truir o Seu povo. São eles:
“O dragão (Apoc. 12), a besta semelhante ao leopardo (Apoc. 13:1-10), e a besta semelhante ao cordeiro (Apoc. 13: 11-18). Em geral, no Apocalipse, são chamados de ‘o dragão’, ‘a besta’ e ‘o falso profeta’ (Apoc. 16: 13). O dragão é Satanás (Apoc. 12: 9), que usou o império romano (verso 4) e a igreja medieval (versos 6, 14 e 15) na tentativa de destruir a Cristo e Seu povo. A besta semelhante ao leopardo de Apocalipse 13:1-10 representa o papado, tanto em sua fase medieval, quanto no final dos tempos. A besta semelhante ao cordeiro (Apoc. 13:11-18) representa o protestantismo apostatado o qual, em cooperação com o papado, irá provocar o governo dos Estados Unidos para aprovar leis religiosas em oposição às verdades bíblicas.” – Lição da Escola Sabatina, nº 9, 3º Trim./96, pág. 2.
Agora, ouça o que está no jornal O Globo de 05/08/96.
“O Senado aprovou ontem o projeto do senador Pedro Simon (PMDB-RS) que cria o número único de registro civil, pelo qual cada cidadão será identificado em todas as suas relações com a sociedade e organismos governamentais e privados.
“Cinco anos após a promulgação da lei que passará antes pela Câmara, os números dos atuais documentos perderão a validade. Documentos como certidão de nascimento, carteira de identidade, carteira profissional, título de eleitor, CIC/CPF, carteira de motorista, passaporte, conta bancária, cartão de crédito, certidão de casamento ou separação, registro no INPS, PIS/Pasep, FGTS e até certidão de óbito deverão ter um extenso número. Todos terão que refazer seus documentos dentro deste prazo.
“A atribuição de um número para cada pessoa vai facilitar o controle e dificultar fraudes na Previdência Social, por exemplo. Se o cidadão morreu, o número morre com ele, não pode ser ressuscitado para outro cidadão.
“– Modéstia à parte, esse meu projeto é fantástico. É o ovo de Colombo. Essa super-abundância de números, cada qual para uma finalidade, é irracional e contra-producente. A convivência com essa pletora de números deixa o cidadão aturdido – defendeu o autor do projeto.”
Agora anote o que extraí do livro O Grande Conflito:
“… Quando, porém, a observância do domingo for imposta por lei, e o mundo for esclarecido relativamente à obrigação do verdadeiro Sábado, quem então transgredir o mandamento de Deus para obedecer a um preceito que não tem autoridade maior que a de Roma, honrará desta maneira ao papado mais do que a Deus. Prestará homenagem a Roma, e ao poder que impõe a instituição que Roma ordenou. Adorará a besta e a sua imagem…” – Pág. 449, Ellen G. White.
“Como o Sábado se tornou o ponto especial de controvérsia por toda a cristandade, e as autoridades religiosas e seculares se combinaram para impor a observância do domingo, a recusa persistente de uma pequena minoria em ceder à exigência popular, fará com que a minoria seja objeto de execração universal.” – Pág. 614, Ellen G. White. Grifos meus.
E os direitos humanos tão popularmente defendidos? A liberdade de consciência? E os líderes religiosos que se gabavam de nunca ceder a pressões eclesiásticas contra qualquer credo? Meu amado, lembra-se do que disse o Sumo Sacerdote Caifás para a violenta turba em Jerusalém? Ouça-o: “Convém que um homem morra pelo povo, e que não pereça toda a nação.” S. João 11:50. Este é o destino glorioso da Igreja de Deus – o pequeno rebanho, nos momentos finais da história do pecado. “Lembre-se de que Jesus morreu às mãos de pessoas que professavam ser religiosas”. – Lição da Escola Sabatina, 11/6/98.
O profeta Sofonias falou que um decreto sairia em situação idêntica, e então as pessoas deveriam se congregar entre o povo de Deus. Sofonias 2:1-2: “Congrega-te, sim, congrega-te ó nação… Antes que saia o decreto e o dia passe como a pragana…”. Os acontecimentos finais serão rápidos e logo esta igreja militante se tornará a igreja triunfante, sob a égide de Seu Grande Comandante – o Senhor Jesus. Glória a Deus. Aleluia!
Trouxeram aqui na Editora ADOS, dia 26/5/96, um convite, formato ofício, letras grandes de computador: (Copiei na íntegra, parágrafos, aspas, letras bold, vírgulas e parêntesis).

PENTECOSTES NA ENGENHOCA
Vamos louvar o nosso “DEUS” glorificado em seu filho “JESUS”que veio derramar sobre nós o “ESPÍRITO SANTO”.
Venha… pois devemos ver o que nos une, e não o que nos separa: não importa a sua denominação, nós te amamos e queremos te chamar de “IRMÃO”, no dia 26 de maio (domingo) de 09 as 18:30 encerramento com a missa carismática na igreja MÃE DA DIVINA PROVIDÊNCIA te aguardamos com carinho.
Renovação Carismática Católica
GRUPO DA DIVINA PROVIDÊNCIA

AS PROFECIAS DO DR. FRITZ
Observe este artigo da Revista Destino, nº 66/94, pág. 4.
“Além de realizar curas milagrosas, com a ajuda de seres extraterrestres, o espírito do Dr. Fritz faz revelações impressionantes, que vão marcar a passagem para a Nova Era.
“Há quase dez anos, o espírito do Dr. Fritz, um médico alemão que morreu em 1918, realiza curas fantásticas por meio do pintor de paredes João Perez… mais que esses milagres, o que chama a atenção no trabalho realizado pelo Dr. Fritz são as mensagens que transmite nas suas palestras. Nelas, esse mensageiro do astral afirma que a Terra vai passar por mudanças climáticas, numa espécie de purificação necessária para a construção de um mundo novo, no qual a violência e o medo não terão lugar… as curas serão feitas sem instrumentos cortantes, apenas com energia de seres de luz e Et’s… de acordo com o Dr. Fritz já existe uma nave-laboratório instalada a 4 mil metros acima (da Terra) e, sob ela, há uma pirâmide de cristal transparente. Esta nave projeta energia para a pirâmide, que por sua vez, emite raios capazes de curar qualquer tipo de enfermidade. O médico explica que, por estar numa dimensão diferente da nossa, esses objetos só podem ser vistos por pessoas sensitivas.
“O Dr. Fritz afirma que os seres que estão por trás destas naves viveram um processo semelhante ao nosso, e também obtiveram ajuda de habitantes de outros planetas.
“E a ajuda que recebemos deles é necessária porque a Terra está vivendo um momento de transmutação, o final de um ciclo. Por isso, além de proporcionar alívio físico aos doentes, ele procura utilizar as curas como um instrumento para modificar o modo de pensar das pessoas… De acordo com o médico, esses seres vão reencarnar em outro planeta, ainda desconhecido, onde ficarão por mil anos.
“Quando há muitas pessoas para serem atendidas, o Dr. Fritz atua no chacra cardíaco de cada paciente, uma forma de tratamento que age sobre doenças de qualquer parte do corpo. Em situações especiais, quando for necessário um atendimento em massa, será possível medicar as pessoas sem nem mesmo tocar nelas, apenas com a ajuda dos extraterrestres. Quanto ao tempo de cura, ele varia de pessoa para pessoa: para umas, a cura ocorre instantaneamente; para outras, demora algum tempo. E há também aquelas que não conseguem ser curadas, por terem um débito cármico a resgatar.”
Amados, vivemos em um momento histórico. Deus está Se antecipando para que Sua Igreja avance vitoriosamente. Derrubando muros e rasgando cortinas de ferro, acabando com os “aparteides” seculares, abrindo caminho para a vitória final. Pense bem: Quem poderia imaginar que o “Kremlim” se tornasse um Centro Evangelístico, onde Cristo é exaltado como o Salvador? Logo, muito breve, o conflito final se dará, e, então, prepare-se: Você verá tantas maravilhas que só não se deixará enganar se estiver firmado em toda a Verdade de Deus. Aleluia
A medicina avança modernizando equipamentos e descobrindo drogas potentes para a cura que, efetivamente, aumenta a longevidade do ser humano. Todavia, os governos não priorizando a saúde deixam o povo a mercê de sua própria sorte.
Quando faltar o pão, nem a religião dará jeito. Conflitos e revoltas explodirão. Amargura, tristeza, decepção e doenças, especialmente de fundo neurológico, causadas pela carência total, tornarão as pessoas sensíves aos “ventos de doutrinas”. Então Lúcifer sabe, definitivamente, que chegou a hora de ceifar. Afinal, um povo sofrido, relegado à própria sorte, não quer saber de onde venha a solução de seus problemas. Por isso, Lúcifer fará das curas “…um instrumento para modificar o pensamento das pessoas”, como ele mesmo garantiu ao Dr. Fritz.
Descrer que Lúcifer não realiza curas, e, curas sobrenaturais é recusar a luz do Sol ao meio-dia. Há contundentes relatos bíblicos que provam sua tremenda ca-pacidade pela – hipnose, persuação, mentira, engodo e fraude, realizar curas, milagres, sinais e maravilhas. Confira na Bíblia:

“A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo poder, e sinais e prodígios de mentira.” II Tes. 2:9.
“E não é maravilha, porque o próprio Satanás, se transfigura em anjo de luz.” II Cor. 11:14.
“E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do Céu à terra, à vista dos homens.” Apoc. 13:13.
“E Faraó também chamou os sábios e encantadores e os magos do Egito fizeram o mesmo com seus encantamentos…” Êxo. 7:11-12.
“Porém os magos do Egito também fizeram o mesmo com seus encantamentos: de maneira que o coração de Faraó se endureceu, e não os ouviu, como o Senhor tinha dito.” Êxo. 7:22.
“Então saiu Satanás da presença do Senhor, e feriu à Jó de tumores malígnos, desde a planta do pé ao alto da cabeça.” Jó 2:7. (Se o diabo põe a doença, pode tira-lá!)
“Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos.” Mat. 24:24.

Logo, muito em breve, as curas, milagres, sinais e maravilhas de Satanás deixarão de existir para dar espaço aos milagres, curas, sinais e maravilhas de Deus, definitivamente. A contrafação luciferiana cairá impotente diante da majestade de Deus. Para o fim, será um passo rápido. Aleluia.
Cabe a nós, amados, como representantes do Céu, baluartes da Verdade, viver uma vida consagrada, santa e separada. Coloquemo-nos no altar Divino para que, revestidos do poder do Espírito Santo, sejamos os instrumentos que Deus usará para Se revelar ao mundo neste momento final. A vitória é nossa pelo Sangue de Jesus. Amém. Glória a Deus!

PROFETA SEM PÁTRIA


PROFETA SEM HONRA EM SUA PÁTRIA.
TEXTO BASE: LUCAS 4 VERSO 24